.

.
.

"

"Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra". "Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível".

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Complejo Agroindustrial Militar


06 de junho 2018
por Sebastião Pinheiro
 
El mundo está en frenesí pues una Copa F.I.F.A vá a empezar en Rusia. Igual que en los Juegos Olímpicos la alimentación de sus atletas es muy bien cuidada para la armonía de energía, sin la presencia de xenobióticos. Es por los xenobióticos que la agricultura de los EEUU en la parte productiva tiene un valor que es inferior a 20% del total y la industrialización y propaganda queda con el restante de los costos. Eso llevado a una zona gris de inconsciencia, que no existe agricultura en la naturaleza, pues la disputa del Complejo
Agroindustrial Militar (expresión del Presidente Eisenhower en 1954, “C.A.F”) necesita imperiosamente que la noción de ultrasocialidad en la producción de los alimentos sea perdida, para que la industria tenga su hegemonía. La fundación de IGF (foto).

Vivimos en un país de norte a sur donde es la agricultura familiar quien garantiza la diversidad y cultura a la mesa, sin embargo el reciente “lock out” de alimentos en Brasil permitió percibir la fragilidad del poder (y “gobierno”) en el desabastecimiento de alimentos con finalidad psicosocial. No nos damos cuenta que el modelo de agricultura del agronegócios busca producir por medio de 4 empresas cinco cultivos y que todos los alimentos en los supermercados son elaborados por la industria con esos 4 cultivos, más celulosa.

La agresividad de la consiga del agronegocos (es pop, es tech, es todo) oculta que no puede haber una agricultura familiar por su sabiduria, calidad y cultura, expresada en la diversidad cultural. En un debate sobre alimentación orgánica para la merienda escolar en Brasília, los técnicos del Ministério de Agricultura, Pecuária y Abastecimiento (MAPA) denominaban como papagayos “minor crops”,* sin saber lo que eso significaba en el ambito del Complejo Agroindustrial Militar y su significado dentro de la agricultura familiar que alimenta el mundo en cantidades, calidades y, principalmente, diversidad.

La dictadura del agronegócios (Coca Cola, Nestlé, Pepsi Co, Cargill, Bunge, Kellog’s, entre otras pretenden destruir el vinculo ultrasocial y la forma más eficiente es por medio del tipo de educación que impone urbi et orbi en todos los níveles. La mala calidad del mismo en los países periféricos es una más que una garantia de éxito la aculturación en el consumismo, por lo que los técnios se comportan como loros repetiendo conceptos y neologismos ideológicos, y lo peor cuando los mezclan con conceptos políticos, muy común entre los universitarios en su formación “desarrollista”.

Lo peor es cuando, donde habría de haber foco en alternativas al agronegocios, es formado el “Centro de Inteligencia” para traer una agricultura orgánica apéndice del agronegocios en el interés del C.A.F bajo la tutela de la elite señorial servil (latifundiários), (foto).

En el mundo (periférico) la agricultura dejó de ser una actividad ultrasocial aleatoria, pues no hay hoy un cultivo siquiera que no sea desecado (con Glyphosate) para organizar y garantizar su cosecha, sin importtar que esa acción es el envenenamiento del producto con sérias repercusiones sobre la salud humana, del suelo, agua y naturaleza. Las consecuencias son ideológicamente ocultadas por una estructura de poder enraizada en la tecnologia que impide medidas cientificas contrarias a los intereses corporativos del C.A.F, por lo que tenemos una epidemia de disbiosis en los EEUU, llegando ya a la periferia; avanzando sobre los pollos y luego la tendremos en los suínos y leche, sin una esttatégia para evitar y sanar el problema. Por otro lado con una série de neo-servicios creados por esa anormalidad, muy acorde con el precepto: el problema creado es una nueva oportunidad de ampliar los lucros cuando transformada en nicho de mercado.

Esa es la razón principal por lo que no pueda existir ninguna alternativa en la agricultura, viable, soportable y justa en busca de la sostenibilidad de la Agricultura Familiar. No seria necesario decir, no fuera la gran enajenación que hay, que es la razón por lo que la pequena propiedad es muy presionada a ser incorporada a las propiedades medianas y grandes, que a su término solamente son viables en los monocultivos con una escala cresciente exponencial. Junto a eso tenemos que la comodidad e ignoráncia completan su trígono especifico. 

Periodicamente surgen nombres en campañas inducidas como nueva moda (fashion) en la agricultura familiar para diversión mercantil y eso ocurre con mayor o menor saña conforme los lados y angulos de aquél triángulo.

Lo más fantastico en la propiedad familiar es que el campesino en su acción no conoce qien va consumir su producto, pero produce con igual ética, respecto y alteridad y es eso que cualifica la ultrasociabilidad de su función y aisla los humanos dentro de esa categoría entre esos seres vivos, donde una parte producen los alimentos de todos, y otros dan la vida para salvar los demás, una característica evolucionária que acompaña la vida en el planeta por lo menos a 200 millones de años con las termitas.

¿Qué significa la perdida de la ultrasociabilidad entre los humanos? Esto ya es palpable hace mucho, cuando los agricultores percbiendo los riesgos de las tecnologias del C.A.F pasarón a producir para su consumo de forma diferente que para el mercado. Día a día vemos que esa tendencia crece vertiginosamente en la periféria del mundo. Los escándalos del uso de fungicidas mercuriales en hortalizas en São Paulo, Río Grande del Sur; o el uso de semillas tratadas con agrotóxicos desviadas para el consumo humano son una realidad mundial promovido por las empresas de forma velada. Oponerse a eso cuesta desgastes y contrariedades palpables.

La respuesta a la cuestión es que los valores éticos, morales se pierden, subordinados a la supremacia absoluta de los valores mercantiles disfrazados. Con el tinte de quien no se encuadra es cualificado de terrorista, subversivo o “comunista”. Caso dessen ustedes entender eso es necesario bajar la ley HR 875 del gobierno Obama sobre Food Safety Modernization Act de 2009-2010, que por la reacción del pueblo yankee demuestra el fin del mercado de productores, pues prohibe los campesinos de vender sus alimentos naturales directo al consumidor. Con eso el pierde su función ultrasocial y pasa a producir materias primas para la industria que lo transforma, pero por médio de la enajenación de la mercadotecnia vende la idea que es productora de alimentos.

Yo estaba en mis estratégias de combate al agronegocios y surgió la oportunidad de quitar el “maquillage” del neologismo Agricultura Sintrópica. Lo hice por que lo estudié mucho desde los años 70 en las clases de fisiología vegetal del Profesor Enrique Sivorí de la UNLP y ser un tema necesario para el manejo de energía, que puede ser visto en Agricultura Ecológica y la Máfia de los Agrotóxicos en Brasil de la época. 

Un empresario rural argentino desubicado de la ultrasociabilidad, de forma enagenada e ignorante, justifica su impotencia delante del modelo afirmó: “El que quiere comer sano que lo siembre, cuide y coma”. Queda presente su comodidad y conciencia, pues sabe que lo que hace está mal. Pero deja trasparecer inércia. Eso es tan dramático cuanto en qualquier otro país sea en la periferia, como en la sede y subsede del Imperio, pues lleva a la prostración (impotencia), (foto).
Es por eso que es necesario generar discusiones y debates sobre el campesinato, campesinos, egidatários, reforma agrária y las crisis sociales, climática, polución e higidez de la humanidad.

Dejalo sin respuesta seria una crueldad, que mi alma mater no perdonaría. Aún más cuando “The Harvard School” empieza a estudiar espiritualidad en la agricultura campesina. Con el Kokopillí y su flautín salgo hacia más una pelea. Jamás tendré miedo de ser retobado, o como dicen los uruguayos “enchalecado”...












segunda-feira, 4 de junho de 2018

Nhenhenhém servil: Falsa insurgência!

Sabe-se o tipo de formação de um indivíduo através de seu discurso. Aqueles que usam informações como vetores de comunicação, geralmente, são pessoas oriundas de famílias de mínima escolaridade e humildes, pois sua fonte de aprendizado é a escola pública e se lustram com os meios de comunicação menos qualificados (O Dia, Notícias Populares, Diário Gaúcho, Programa Flávio Cavalcante, Chacrinha, Sílvio Santos, Gugu, Linha Direta, Datena e similares) e há os que, ainda, frequentam igrejas de autoajuda.

O avançar nos degraus da instrução lhes permite entender e interpretar um pouco daquilo que as elites usam em seus discursos conceituais, sem perceber as reais intenções no transfundo político, ideológico e social. Mas, sua perseverança e empenho garantem, então, construir uma contraposição aparente, tão sólida quanto o grau de dedicação e nível de inteligência.

Ao estar liberado da sistemática escolástica, pode inovar e surpreender com uma visão da realidade oriunda de sua “informação conceitual” própria. Um exemplo pode ser visto na questão ambiental, em particular nos agrotóxicos, nos últimos trinta anos. Introduzida, manipulada e conduzida por interesses dogmáticos do capitalismo, essas questões foram subvertidas no texto, discurso e ação por cidadãos de fora do contexto (Rachel Carson, Ivan Illich, Feyerabend, Lutzenberger e muitos outros), na mídia, governo autoritário e elites conservadoras ou alienadas.

Provocando uma reação e intervenção drástica e cara para a retomada de seu controle, além de contar, no plano externo com uma nova ordem (OMC) e no plano interno com o oportunismo totalitário travestido de militantes progressistas de ONGs e movimentos sociais. Tudo isto fica submerso na voracidade do mercado, que a tudo consome.

O advogado Paulo Freire, ao descobrir sua realidade tornou-se “educador”, ou melhor, “para-educador” e o “vovó viu a uva” transmutou em “a água e a seca”, “a terra e a cerca” em nova pedagogia. Contudo, os detentores do poder bem sabem que, o que ele fez, para “todos”, revolucionário, está plasmado em “Didática Magna”, do Bispo Jan Amos Komesky (Comenius) desde 1627, que é copia do produzido um século antes pelo assessor de Martim Lutero, Jörg Spalatin (Burkhardt) em 1450, do “ensinar tudo a todos”.

As elites sabem esconder o que é de seu interesse e ambos os autores chegam à atualidade maquiada à sua feição e utilidade. Em uns, novos autores acrescentam dia a dia nova roupagem e retoques, que acrescentam e evolucionam àqueles conceitos. Em outros, na periferia, de discurso informativo e pouco conceitual, se divulga e cultua Paulo Freire como alternativa revolucionária, quando na verdade a elite o transforma no “status quo” conservador de seu stablishment. A comprovação é simples: Aplique-o na educação de um país como Japão, Alemanha, Holanda ou Estados Unidos. É desnecessário e impróprio. Dito isto, voltemos ao tema.

Jamais poderemos colocar em igualdade a formação clássica de alta qualidade com a obtida através de “informações” de escola pública e mídia periférica. Illich antecipou isto em “A vaca Sagrada”.

Na sociedade brasileira vemos estudantes que colam mesmo na universidade, mesmo quando suas fontes de estudo são sebosas apostilas com mais de trinta anos, com alguns anagramas de tecnologia, mas sem qualquer conteúdo para sua interpretação e possibilidade de redesenho. Apenas consumir é a ordem... Os cursos de pós-graduação seguem no mesmo diapasão e os mais ideologicamente afinados com os professores são eleitos para cursos de 18 meses (mestrado) ou 48 meses (doutorado) onde são obrigados a ler capítulos de livros sem conhecer o mesmo através de leitura reflexiva e aprofundada. Discutem sobre o capítulo ou parte do capítulo de interesse do professor/orientador, lido em apenas dois dias e muitas vezes sem a compreensão do texto, que será explicitado em seminário de forma teleguiada ideológica ou mercantil (cartão corporativo de empresas ou governo).

A realidade está: Jovens oriundos dos movimentos sociais (ONGs, MST, etc.) estão ávidos por ascender socialmente, e os cursos de mestrado, doutorado são um ótimo atalho. Isto convém às elites pelo que vimos anteriormente. Na grande maioria são oriundos de formação deficiente e com um tênue verniz de formação político ideológica, com discurso e ação com erros primários e a compreensão grosseira, alimentada por uma revolta interior gigantesca. O que serve com justeza1 no programado para eles: Um ser totalitário, grosseiro e, principalmente dócil, amestrado ou “doutor” dos “40 pensamentos” de Nietzsche. Eles servem como uma luva, pois discutem sua especialidade da forma como seus amos desejam e pensam que sua titularidade lhes dá competência para atuar fora delas. Há, no aparelhamento da máquina pública isto pode ser visto por toda parte. Em cartórios governamentais uma plêiade dos primeiros digladia com os segundos sem conhecimento de causa (biologia molecular e por extensão em seus bio-riscos, aqui denominado de biossegurança, ambos convalidando os interesses dogmáticos dos OGMs e o preço elevado dos alimentos orgânicos. A pândega segue, como troça carnavalesca, pois não percebem que o agrotóxicos de Rachel Carson e do GATT sempre foram manipulados e se transformaram nos OGMs de Jeffrey Smith e OMC com uma manipulação mais sofisticada, pois a violência evoluiu.

O triste é que nada mudou: Apenas a Realidade.

 Juquira Candiru Satyagraha
-------------------------------------------------------------
1 Ler: El lado obscuro de la enajenación estudantil

domingo, 3 de junho de 2018

Sintrópica


dizia Howard, que 'A Natureza tal como ela é apreendida pelo conhecimento científico é uma Natureza que foi destruída; é um fantasma possuindo um esqueleto mas sem alma'.
 
03 de junho de 2018
por Sebastião Pinheiro
 
Sintropía é mais do que um neologismo, é um termo da física embasada na Termodinâmica, que chega à agricultura com pretensões mais do que biológicas, mas comerciais, geopolíticas.
 
Na Wikipédia: Syntropy n. A tendência ocasional de duas doenças para se fundir numa só. O Estado psicológico da associação saudável com outros. Uma série de estruturas similares inclinadas numa direção geral, como as costelas.

Na modernidade a melhor forma de medir a eficiência das máquinas (a vapor) era transformar o consumo de calor em trabalho, de lá surgiu a TERMODINÂMICA, que avançou como uma das partes da física mais prestigiada. Claro que sua aplicação em seres vivos individuais ou comunidade é bem mais complexa, porque diferentes das máquinas os seres vivos crescem, desenvolvem e têm diferentes etapas e seus rendimentos também variam célula a célula e órgão a órgão. O conceito de ordem (organização é investido nos seres vivos, pois quanto mais ordem (do ponto de vista físico) menor é sua entropia e também teremos a regeneração celular.

No entanto, o prêmio Nobel austríaco, físico Erwin Schröedinger buscou responder à questão crucial na primeira metade do século XX, O que é a vida? Aspectos físicos das Células Vivas, 1944. Como resposta ele propôs o conceito de Entropia Negativa para os seres vivos. O físico quântico León Brillouin transformou-o no neologismo "Negentropía" significando que os sistemas vivos importam negentropía e a armazena. 

O matemático italiano Luigi Fantappiè inovou com o termo sintropía para unificar a biologia e a física. O prêmio Nobel de bioquímica (Vit. C) Szent-Györg a divulgou com sucesso a partir dos anos 70. O trabalho de Georgescu Roegen em economia do meio ambiente ou bioeconomia através do seu livro "A lei da Entropia no processo econômico", de 1971 deslocou o conceito sintropía e a questão ambiental tornou-se mais importante e sufocou aqueles parâmetros conceituais.


Mais recentemente com os fractais Buckminster Fuller tentou popularizar a sintropía, mas continua prevalente o termo negentropía.


Sintropía com relação à agricultura tem na web somente uma fonte e seu berço é o Brasil. Muito estranho... um herdeiro de rede de supermercados patrocinadora de programas de TV e um grupo de atores da TV conseguiram uma novela de encomenda sobre o tema. Em um dos capítulos se buscou apresentar uma gêneses indígena para a agricultura sintrópica, com a presença de indígenas Ashaninkas (depreciativamente identificados como Campas) do Estado do Acre. Os indígenas não submeteram sua identidade e cultura aos interesses da rede de comunicação, mas a onda de divulgação posterior mostra como o tema é capital para o agronegócio na América Latina e o que está em disputa política.

Seja: orgânica, biodinâmica, regenerativa, sintrópica, extrópica, ectrópica ou simplesmente o substantivo feminino "Agricultura", o capital internacional através de suas corporações incorporadas necessita destruir a identidade ultrassocial do biopoder campesino (caipira) que resiste no mundo, pois não é sustentável que a Indústria de Alimentos não produz alimentos, apenas o transforma, na maior parte das vezes removendo sua qualidade, quando não envenenando-os com o beneplácito governamental. O camponês deve desaparecer, extinguir-se, e com a sua ação ultrassocial. 

O Brasil experimentou durante onze dias um "lock out" induzido por esses interesses corporativos com danos gigantescos e comoção psicossocial. Não foi um ato original, pois algo com um "Algoritmo" muito semelhante aconteceu em seu vizinho, com a crise imobiliária nos EUA e rápida subida dos preços das commodities o governo argentino tentou aumentar as taxas e pautas da soja e girassol para o governo ter recursos para a distribuição de renda e justiça social. A pressão do setor da soja transgênica (Monsanto, Nidera), denúncias do Observatório Sul-Americano de patentes de 26 de abril de 2013 traz isso em detalhes com acusações de corrupção muito graves de roubou germoplasma nacional etc. Eles desejavam a máxima concentração de capital e a sua evasão, como houvera em 2001. Pelo voto
de Minerva do seu vice-presidente, Julio Cobos, presidente do Senado a proposta de levante das taxas e pautas não passou no Congresso Nacional por forte lobby do governo dos EEUU, através da Monsanto-Nidera, Grobocopatel. Uma traição monumental impedindo como pode ser lido no Observatório Sul-Americano de patentes, na web.


Estes dados são poucos conhecidos no Brasil. É muito raro que ninguém faça referência à presença de tratores e "lock out" dos fornecimentos de comida de porcos, frangos e bloqueio na retirada do leite por uma greve comum de caminhoneiros. Comoção psicossocial era o termo que se utilizava para acusar os contrários às políticas contra a ditadura. Será estratégia pela suspensão da exportação de proteína animal para a União Europeia?
 
O governo com múltiplas acusações de corrupção tornou-se vítima. Inepto foi cúmplice e agora quer parecer competente, mais do que isso, herói.  

Em dez dias o Brasil perdeu quase tudo ou que pretendia ganhar com a venda cretina de sua estatal de eletricidade e economizar com sua reforma da Previdência Social. Esses são elementos de algoritmos de intelligentsia com finalidade destruir a agricultura familiar que resiste, enquanto o onanismo cria factoides políticos para diversão da classe média polarizada maniqueisticamente de forma artificial.

O que me preocupa não é o Sintrópico, nem o seu financiamento Syngent-rópica para o Agronegócios e sim como se articulam a novela, populações nativas, TV, logística de empresas rodoviárias com baixa demanda, destruição de alimentos, sequestro de capital campesino e política do petróleo contra o Estado e Povo, de onde emana todo o poder. A "Intelligentsia" sabe a importância do Algoritmo para as políticas públicas regionais e nacionais.


Brasileiro, não tenho medo dos russos nas quatro linhas do campo de futebol, mas sim nos computadores controlando eleições. Se fizeram nos EEUU onde não há improvisação... A luta segue e segue (pelo biopoder campesino) Z vive e vive.
 


 
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...