"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A luta segue, e segue...

Cromatografia do Fladen, Oliver Blanco
por Sebastião Pinheiro
20 de outubro 2016

Viva Zapata! A luta segue, e segue...

O amigo, prof. Zeca (Pampa-Selva) Pires, me fez pensar quando postou sobre um novo de análise de solo. Com apenas três anos, em 1950, a morte de meu pai obrigou a entender e estudar as violências antes de compreender o porquê da vida. O positivo é que adquiri a capacidade de perceber as sofisticações e fantasias por trás das violências.

Nos últimos anos debrucei sobre análises de solo um pouco além do sentido tecnológico de Liebig, Henry, Rothamstead, Rockefeller, TVA ou Yagodín. O postado mostra uma nova ferramenta que propõe mudança, mas pode escamotear a manutenção da ideologia ao que os vulgares dizem: “Mudam as moscas, mas o substrato permanece o mesmo”.

Destemido, despretensioso e sem soberba orgulho-me dos enfrentamentos e embates contra as violências antropo-etno-tecnológicas e todas as derrotas que contribui nas pretendidas vitórias que desejava construir.

1. O BACULLOVIRUS alastrou pela soja e quem deveria apoiar com logística e estratégia sempre esteve com suas táticas sorrateiras solapando-o induzidos pelas empresas de venenos contrariadas e prejudicadas pela queda nas vendas, pois as oito aplicações caíram para 0,5/Ha em toda a soja. Não imaginam quantas vezes fui alertado sobre o risco de usar lagartas sem o conhecimento do número de cápsides ativos para garantir um controle efetivo. Eram doutos professores e pesquisadores de pedigree. Foram mais de duas décadas de uso sem qualquer problema. Mas, como bem disse a Assentada M. G. Gonçalves, a escola deseduca e impõe a subserviência ao status. As autoridades pressionadas cumpriram ordens internacionais e o Bacullovirus foi para a lata do lixo. Hoje um livro sobre o seqüenciamento genômico do Bacullovirus custa mais de 800 dólares e nele não há uma referencia aos doutos nativos, nem sequer aos adventícios, pois todo o material foi apropriado pelas mesmas empresas de agrotóxicos que não queriam a “alternativa” fora do seu tempo.

2. Igual destino teve o Controle dos AGROTÓXICOS (Receituário Agronômico), quantas horas de cursos, treinamentos gratuitos por mais de duas décadas. Eu gostaria de ganhar 10 dólares por cada vez que escutei: “Temos a melhor lei de agrotóxicos do mundo”. Sim, eu já teria comprado o Aston Martin dos meus devaneios vulgares. Conquistamos a lei estadual e nacional, no entanto elas nunca foram aplicadas, pois seu elogio era para anulá-la e manter-se a corrupção cartorial daqueles com dever de ofício. Do alto de sua ignorância foi dito, que era preciso usar os agrotóxicos para que os pobres pudessem comer. É por isso que os EUA são o terceiro consumidor, e em queda acelerada. A lei nacional não aplicada foi mudada três vezes para atender interesses industriais. O descalabro foi nomear o Presidente Executivo do lobby dos Agrotóxicos para chefiar a Câmara Setorial do Governo. Ele fez as vendas crescerem mais de 300 por cento, isto quando as sementes transgênicas surgiam para diminuir o uso dos venenos. Enquanto, os militantes no governo criaram a Campanha “Permanente contra os mesmos. Aqueles mesmos professores, pesquisadores que diziam nos anos 70 e 80 que o uso de veneno estava diminuindo, pois os clorados e fosforados estavam sendo substituídos por piretróides sintéticos que tinham pequena concentração por isso era usado maior quantidade. Hoje pedem o olhar misericordioso e condescendente;

3. Os BIOFERTILIZANTES são já conhecidos há mais de 35 anos na agricultura a partir do RS, mas somente agora os entreguistas podem festejar o surgimento do SERENADE®, apenas um “ALINIT” de 1893 da mesma empresa com alterações genéticas para proteção; Há orgulhoso status em consumi-lo...

4. As SEMENTES AGROECOLÓGICAS, que deveriam ser idealizadas por dever de Estado, mas sem autorização imperial, ficou revolucionaria à cargo dos “SemTerra” reforçando a ironia fina do Prof. Darcy Ribeiro;

5.
Sobre as FARINHAS DE ROCHA é interessante que um estrangeiro leu um livro em português e criou uma ONG financiada pela primeira Government NGO e logo um séquito servil articulou a nova legislação sobre as mesmas para atender os interesses das grandes corporações de insumos e serviços na agricultura. Não obstante, há hoje mais de cem empresas produzindo “Pós de Rochas” na América Latina.

6. A AUTOCERTIFICAÇÃO CAMPONESA foi a resposta derradeira à picaretagem das certificações LEISA & SARD (Conferência em Hertogenbosch/91), imediatamente denunciada. Lembro um corrupto que para justificar-se choramingava: “Não se pode ignorar 80 bilhões de dólares ano”. Hoje Coca-Cola, Nestlé, Cargill e Pepsi hegemonizam o mercado de orgânicos, controlam seus preços e subvencionam muitas ONGs. Mas apesar deles a Auto-certificação Camponesa é mundial;

7. Por fim, mas muito longe de ser finalmente, o prof. Zeca (Pampa-Selva) Pires nos alerta sobre as novas análises. Estamos esperando isso, igual ao Bacullovirus OGM, Serenade OGM , legislações, etc. há muito tempo. É por isso que o prof. Zeca e outros na América Latina já possuem seus Campos de Metagenômica com a finalidade de “Transplante de Células Tronco do Microbioma do Solo” e Observações Metaproteômicas in situ na terra camponesa. Através da Cromatografia de Pfeiffer avançamos na análise das "Huminas Álcali Insolúvel" e "Huminas Álcali Solúveis", importantes na fixação de Carbono, Nitrogênio, Enxofre e minerais raros nos Biomas Pampa e Cerrado e avaliar os impactos de fungicidas e herbicidas sobre a Saúde no Solo. Há os mais avançados que vão além integrando nela as homeopatias (foto) feita por eles na ETA – Viamão.

8. Ansioso espero a nova derrota agradecendo a oportunidade, pois o Prof. Milton Santos alertou: “A força da alienação vem dessa fragilidade dos indivíduos, quando apenas conseguem identificar o que os separa e não o que os une... O mundo não é formado apenas pelo que já existe, mas também pelo que pode efetivamente existir”. Não há o que temer, pois temos tempo, muito tempo. 

9. Eles são especialistas em “Matopiba” onde duas empresas mandam (uma delas é dona de todo o fertilizante fosfatado do mundo e preocupa a milicaiada latinoamericana, que está livre da faina nos golpes de Estado e de caçar políticos da Guerra Fria. Eles ainda ignoram o que seja “ecopoiesis” das corporações sobre o Biopoder Ultrassocial Camponês. Sim, a bola da vez imperial é o judiciário, mas precisa modernizar-se.

10. "Toda comodidade é cara, aliena e retarda a evolução do cérebro” pelo que a primitiva parte “reptília” é ativada de forma subliminar para o consumo através do dinheiro, status sem sentimentos, sabedoria e dignidade.

11. “Ex nunc” (a partir de agora) permite a torção do enredo (plot twist) contra a falsa sensação de consolo do que não pode ser encontrado em outros fenômenos (Nietzsche). “Deus ex Machina” é da coxia da tragédia grega e deve por lá perambular, quando os doutos andam não mais à cavalo, porém no Jet set internacional.

Perdão, Mestre Quintana saiu hendecassílabo. Ignoramos que o penteado da Princesa Leia Organa, de Guerra das Estrelas foi copiado do povo Hopí (FOTO). Imitamo-los tocando flauta ao luar conscientes como o Kokopili para ajudar a vida crescer integrando o pó de estrelas ao microbioma com harmonia. O Oliver enviou um croma de Fladen, que é idêntico ao da Agua termal de Vicente Dutra feito pelo M. Fiametti, "E la nave va"


O vento leva as respostas (The answer blowin’ the Wind) enquanto as perguntas agridem meu rosto (However questions knock in my face), mas sem qualquer violência (but without any violence).

Desaparecimento das abelhas

Ryania speciosa antiga Patrisia pyrifera Nativa da América Latina
Pinheiro, T.
13 de outubro 2016

Ayer he recibido una noticia triste, una de las más influyentes ambientalistas de Brasil desencarnó a los 90 años de edad despues de irradiar mucha luz. Ella fue la gran pionera no solo en defensa de la naturaleza y medioambiente (Hermenegildo) como también en la lucha por una agricultura sin venenos y posibilitó el primer proyecto de agricultura orgánica en el sur de Brasil, entonces denominado de “Proyecto Vacaría”. Fue el guardián en la investigación del Agente Naranja en Tucuruí. Estaba yo escribiendo una colaboración al documento sobre el desaparecimiento de las colmenas (CCD) del Dr. Filártiga cuando recibí con mucho pesar la información de su pasaje. “Requiescat in paceSra. M Renner.

Sobre el desaparecimiento de las abejas, muchos poderosos ignoran la profecía de Einstein por demás conocida y ya nos referimos a eso. La National Geographic presentó en video un agricultor en China polinizando flor a flor un árbol de pera con granos de polen sobre un pincel. Imagine usted lo que significa eso.

Hablé con un científico nacional sobre el tema, pero quedé desnortado pues a él le pareció algo no tan anormal. Quedé con miedo pues entendí que él pensaba que todo estaba sobre control y que no se debería traer “preocupaciones mayores para los mundanos o transeúntes”. Nuestra formación universitaria de periferia distribuye soberbia abarrotes o al por mayor… Para entender eso tuve de leer seis veces el texto de Horacio Martins de Carvalho sobre “La privatización de la neutralidad científica”.

Volviendo a nuestras amadas abejas, en Francia ya hace más de diez años que el gobierno pelea con la gigante Bayer Alemana contra el Nicotinóide Sintético “Imidacloprid” el gran responsable por la CCD. El único texto que leí en Brasil fue escrito en Piauí y es chistoso por decir lo mínimo.

Es conocido que la nicotina actúa sobre el cerebro de forma más rápida y fuerte que la cocaína y es gatillo (trigger) para una serie de problemas en el metabolismo del cerebro principalmente en los canales de Calcio muy similar a lo que ocurre con los gases nerviosos fosforados estudiados por el Dr. (Honoris Causa) Gerhard Schroeder y Premio Nobel Richard Kuhn uno de los creadores del Soman y serie VX.

Para que ustedes se den cuenta de lo escatológico veamos: En 14 de septiembre de 1945 en los allanamientos militares – científicos en la Industria Merck AG en la derrotada Alemania de Hitler fueron confiscados los estudios sobre la planta Ryania speciosa antigua Patrisia pyrifera nativa de América Latina y patentada bajo el numero US 2590536 en 1952 en los EEUU.

70 años después vimos surgir los agrotóxicos de la naturaleza, que no pocas ONGs anticipaban con gaudio en los años 80 para sustituir los tenebrosos químicos sintéticos. Así se creó los caldos e preparados de “pimientos”, “ajos”, “semillas de Neem”, hojas de tabaco e otras cosas muy extrañas como si fueran seguras, baratas y eficientes. Ideológicamente substituían la herramienta, cuando deberían substituir la ideología de tratar el efecto por el eliminar las causa. Pobres abejas, pobres humanos, pobre naturaleza.
Los nicotinóides tienen un nuevo aparcero los rianodínicos”, que son diterpenoide venenosos extraído de aquella Ryania speciosa (Salicaceae) poderosos insecticida ya patentado antes que nosotros conociéramos el DDT y su “troupe”. Ese compuesto tiene afinidad extremadamente alta al receptor de rianodina abierto, que forma un grupo de canales de calcio que se encuentra en el músculo esquelético, músculo liso, y las células musculares del corazón. Se une con tan alta afinidad por el receptor que se utiliza como un aceptor para la primera purificación de esa clase de canales iónicos y dio su nombre a la misma.

En concentraciones nanomolares, rianodina bloquea el receptor en un estado semi-abierto, mientras que las cierra totalmente en concentración micromolar. El efecto de la unión a nivel nanomolar es que rianodina provoca la liberación de calcio de las reservas de calcio como el retículo sarcoplásmico en el citoplasma, lo que conduce a contracciones musculares masivas. El efecto de la unión a nivel micromolar es la parálisis. Esto es cierto tanto para los mamíferos e insectos. La pregunta indiscreta: ¿En los canales de Calcio del cerebro cono actúa el receptor Ry3 de la rianodina? ¿Sentiremos nostalgia de los nicotinóides no tan nefastos cuando los efectos de los ryanodinicos extinguieren las termitas, las hormigas arrieras y topos? Quedaremos nosotros, en nuestro soberbio Antropoceno natimuerto (y sin memoria por la alta concentración de Calcio en los canales del cerebro).

Império decadente



Pinheiro, T.
09 de outubro 2016
Mis sentimientos. Perdón, no pésames; La fecha no está en los calendarios, pero justifica la reflexión, por supuesto también estudios constantes. No es el día de “San Patricio en Irlanda, ni el de San Francisco, en Assis o de San Jorge, a doquier.

Buscaba yo en la Internet saber de su carta, que debería ser anunciada después de su muerte, pero fue anticipada y no sé sabe aún el porqué. Para algunos, eso fue explotado por inteligencia para diseminar cizaña y odio, mientras para otros, mala lectura de la situación ya crítica, por no decir desesperadora por la traición académica (RD) y política (MMM). Cuando será que sabremos todos las razones.

No la encontré pero aprendí algo que no suena a desinformación, tal vez por error estratégico de geografía ellos estudiaron la lengua quechua, pero en la región solo se habla el “tupí-guaraní”. Con el guaraní, conoces la geografía (geomorfología, botánica, geología y sociedad) única y exclusivamente sabiendo el significado del nombre. Como diría el glorioso Mario Moreno, “ahí está el detalle”, pero que detalle. Ñancahuazu en guaraní significa “Quebrada Grande” imaginas la velocidad del río en esas épocas por las lluvias. Seguro que ellos no tenían barcos con motor para desplazamientos en cualquier circunstancia, si quieres entiendas como incógnitos.

Sobre la conmemoración ni una línea siquiera, ni en el ocho, ni en el nueve, y lo busqué el periódico último reducto donde la encontraría. Decepción. Si el mundo cambió, y como cambió.

Atendí los anhelos de la televisión mundana y como no encontraba “el hombre nuevo” busqué “el hombre viejo” y en todos ellos estaba el desplante: “Trump caught on tape saying he can grab women by the 'p***y' because he's famous”. Los tres asteriscos ocultan las letras uss. No, carajo, no seas boludo, eso no significa United States Service. Qué mierda, nadie más piensa, juega ajedrez o hace poemas.

El mundo cambió sí. Me acuerdo el angoleño en Plovdiv desesperado por la situación “Simba” en el Congo fanático por Kabila y admirador dél preguntando: Será que murió. Lembro mis palabras sacadas de un poema leído en cirílico de Iván Minchov Vazov: “Aquel que lucha por la libertad no muere jamás, pues vive en el corazón de los suyos”.

El imperio decadente cree que la tecnología lo va sostener y continua Ñancahuazu abajo… En la Higuera hay el mito que San Ernesto hace milagros. Los físicos saben que donde la gravedad es absoluta hay un “agujero negro”, donde no, tiempo, espacio, luz y vida son posibles.

Es domingo y voy conmemorar la fecha, que no fue ayer y es hoy, comiendo “feijoada” hecho con las partes desperdiciadas del cerdo que los esclavos transformarán en plato nacional. El aforisma permite la religiosidad del “Cristo Muerto” de Andrea Mantegna, 1480 o el profesionalismo pedagógico en “Clase de Anatomía del Dr. Tulp” de Rembrandt, 1632, todavía sin temer las tinieblas de la servidumbre (foto), pues la estética de la Libertad "obligé".


El mundo es inmutable, pendejo, sos vos que estas viejo, lo que es inexorable, pero sigas feliz reviviendo las fechas, efemérides, lugares y tierras extrañas, pues la lucha sigue, sigue y sigue.


Bioma Pampa e Glifosato

Juquira Candirú
06 de outubro

"A cada dia o agronegócio destrói mais e mais o solo ultrassocial para beneficiar a indústria alimentícia..."

El mes de septiembre fue vertiginoso, y pude echar de lado la nostalgia al rever uno de los biomas más interesantes que estudié y conocí “El Pampa”. Estuve dos veces en Manuel Viana y San Francisco de Assis allá para las bandas del Alegrete, pero perdí más de 30 cromatografías de Pfeiffer por una soda cáustica de mala calidad que se carbonató, pude percibir que a cada día el agronegocios destruye más y más el suelo ultrasocial para beneficiar la Industria Alimentaria. Si el arenal, apodo eufemístico para el desierto que está creciendo acelerado y ahora amenazado por la soja.

En los años 70 tuve la oportunidad de escuchar el dictador Gen. Geisel en Palmeiras das Missões hablar que en los campos de pastos duros se iba a fertilizar y hacer agricultura. He visto las primeras hordas bajaren del norte del Estado para el Pampa arrendando tierras para plantar soja. Era una época cretina y yo en mi juventud no imaginaba que aquél fuera ventrílocuo, pues no conseguía verlo sentado en las piernas del alguien. Pasados 40 años la desigualdad aumentó muchísimo y la economía perdió su complejidad. Sin embargo, la soja no consiguió fijarse en el pampa.

Vino la democracia y no mi di cuenta que mi ingenuidad no era tal, sino torpeza, pues el “Bioma Pampa”, igual que el Cerrado Brasileño quedarán fuera de la Constitución Nacional. Bien la ignorancia general y la del General pensarán que el pampa representa menos de 2% del territorio nacional. Bien, eso significa más de 65% del territorio de Río Grande del Sur, ya el Cerrado es más 22% del territorio nacional y no puede ser reglado o disciplinado por el Estado y Gobierno por los transcendentes intereses del capital de la industria alimentaria internacional. Sí, él infeliz general no era un muñeco ventrílocuo, era un muñeco con una grabación insertada como orden en la cabeza. De allá para acá la epidemia de ventrilocuismo aumentó no hay autonomía para pensar, hablar o hacer.

El agronegocios volvió atacando el pampa a la Grobocopatel, Maggi, SLC etc. y el arenal va crecer, acelerado. Estuve en Sant’Ana del Livramento y pude prestar mi homenaje a Carlos Gardel, el uruguayo de Tacuarembó cantando su despedida, “Adiós Pampa Mía”, uno de los tangos de su repertorio que permite demostrar que el pampa es más que un espacio natural, es danza, música, gastronomía, etnias y civilizaciones autóctonas de raíces mapuches (que saben trabajar la plata y los lapislázules), guaraní, charruas y otras que sobrevivieran al masacre pero impregnaron los recién llegados y dejaron la herencia del blanco, de la libertad y celeste del cielo sobre la cabeza que da la autonomía. Valores raros en tierras extrañas.

El uso clandestino e ilegal del herbicida 2,4 D en los campos y pastizales del pampa tupidos de vegetación mutante resistentes a los herbicidas a base de Glyphosate destruye el alimento de los microorganismos del suelo y aceleran la formación de los médanos (arena que vuela). En el Seminario Binacional sobre el Bioma Pampa es posible que la gente no tenga entendido en plenitud el significado del título: El Pampa nuestro Segundo Corazón.

Tuve por fin la oportunidad de ver un funcionario público federal descorriendo sobre la “desecación” del pampa con herbicidas, justificando el “tráfico de poder”, como si eso fuera preservación o gestión del recurso natural, donde otro desnortado en el pasado introdujo el pasto Annoni.

Pobres muñecos de cabeza vacía, aguardando “programación” ignoran que en los Estados Unidos hay un área mayor que el Pampa, que es del gobierno federal yankee, de tierras públicas, alquilada a los criadores de ganados con normas rígidas y estudios muy profundos, pues aquél es él corazón de las raíces nativas norteamericanas igual y también pasó a ser el ideario de los recién llegados que aprendieron charrería y se tornarón “cow boys” y yankees.

En el Pampa brasileño mucho odio impide percibir su belleza y que la creación de ganado es el mejor destino ultrasocial para la pradera, por lo que dejé de visitarlo para evitar la identidad con terratenientes, siempre egoístas y serviles a los testaferros de corporaciones de la industria alimentaria desde la época de Justus von Liebig con su frigorífico en las dos orillas sobre el río Uruguay que en 1865 ya hacía especulación al comprar el ganado y eso puede ser visto en Fray Bentos en el Museo de la Revolución Industrial sobre la “Cocina del Mundo” donde trabajaban más de veinte mil personas y alimentó a la Primera Guerra Mundial que destruyo cinco imperio, pero aún restó el peor y su mayordomo.

Pero así sin perder mis raíces pampeanas y siempre estudiándolo encontré que el Servicio Geológico de los EEUU se deparó con algo fantástico en el área de los “Rangeland”: Los ciervos y alces al sentir el efecto de la Encefalopatía Espongiforme Transmisible, identificada como Chronicle Wasting Disease – CWD o intoxicados por residuos de herbicida Glyphosate en las pacas de rastrojo de cultivos transgénicos distribuida por los criadores y gobierno buscan comer líquenes de los árboles y piedras para curarse. El cuadro permite saber que las Encefalopatías Espongiforme Transmisibles abundan en la naturaleza, pero están bajo su control y sus príones o proteínas modificadas no pueden propagarse o contaminar por el sistema inmunológico o sistemas de control del segundo corazón de los mamíferos que bloquean su “gatillo”.
Los premios Nobel, Gaydusek, (investigando la Kouru en la tribu Fore en Papua Nueva Guinea) y Prusiner (en “Scrapie” en ovinos y “Mal de la Vaca Loca” en bovinos) avanzaron sobre los príones, sospechase con finalidades militares. Ellas pasan de un animal hacia otro así como la BSE pasó a los humanos como la Cruzfeldt-Jakob y sus nvCFJ. En el Antropoceno ignoramos los gatillos que creamos a doquier.

En los años 70 las autoridades científicas de Gran Bretaña volvieron al “Piltdown Man” al alimentar con harina de carne y huesos de cadáveres de ovejas y chivos muertos por Scrapie las vacas lecheras del Reino Unido. El reconocido científico británico Mark Purdey compró 4 vacas que habían sido tratadas con insecticidas fosforados (Phosmet – Phorate) para eliminar el surto de “Warble fly” (Hypodermia lineatum) & “Sheep Bot Fly” (Oestrus ovis), moscas parasitas, que llevó para su Racho Orgánico y todas desarrollaran la “BSE”. Estudiando la formula del insecticida derivado de los gases nerviosos del arsenal británicos con fórmula química en la parte inferior del cerebro.

Mark Purdey estuvo en la audiencia en el parlamento “Phillips Inquiry” sobre el Mal de la Vaca Loca (BSE) afirmando que no era la scrapie la causa pues la practica de uso de harina de carne y harina de huesos era conocida en Gran Bretaña en época bien anterior a von Liebig sin cualquier caso relatado y reafirmó que la BSE tenia un gatillo como el Phosmet por bloquear los minerales en el cerebro y estar relacionado con Alzheimer y mal de Parkinson. Fue muy festejado como “científico underground” en el país del Piltdown Man y la Investigación Phillips llegó a la conclusión que los organofosforados si pueden aumentar la susceptibilidad al prión de la BSE, lo que vino a ser confirmado en 1993 por el professor Satoshi Ishikawa. En 1999 su trabajo incentivó científicos a publicar las estadísticas sobre BSE, scrapie y vCJD. En 2001 la Comisión de la Unión Europea de Defensa del Consumidor le concedió razón por la forma de aumentar la susceptibilidad a la BSE. En la foto en la parte superior del cerebro.

El Glyphosate es muy semejante al Phosmet, principalmente, después de Oxigenación y metilación en el hígado para desintoxicación, donde un Azufre es sustituido por Oxigeno y otro por -CH3. Obviamente el radical Ftalamida puede degradarse o formar el N-acético o Glicina del Glyphosate.

Mi preocupación es que el Glyphosate usado en cantidades de 200 millones de toneladas/año en Brasil formulado en grasa animal, que lo torna un gatillo para las Encefalopatías Espongiforme Transmisibles que ya está incubándose y explotará como pandemia, a ejemplo de la Vaca Loca que atingió la humanidad. En los EEUU y Canadá en 2002 la Encefalopatía del Ciervo Loco, una TSE obligó la matanza de 35.000 ciervos y alces. ¿Cuantos animales salvajes en la fauna latinoamericana incuban Encefalopatías Espongiforme Transmisibles? Cual la posibilidad de ellas pasaren hacia humanos. Me preocupa el consumo de mulitas, venados, capibaras y muchos otros de la comida regional, además del agua.

Debemos cuestionar la OMS, OPAS y Bayer/Monsanto a responder por qué Glyphosate es más tóxico formulado a 41% de Ingrediente Activo, que cuando está en grado técnico.

sábado, 22 de outubro de 2016

A evolução do cérebro orgânico hominal e a Noogênese

By Hikari on Tuesday, 27 May 2008.

Esse texto é muito interessante. Dá uma visão científica da evolução do reino Hominal, com descrições mostrando o papel do cérebro orgânico nessa evolução.
O texto, escrito entre 98 e 99 por Maria Luiza Glycerio e Janice B. Paulsen, é um resumo de livros escritos por Teilhard de Chardin. O resumo contém vários links com referências bibliográficas e uma bibliografia, eu retirei tudo por questão de segurança, já que não verifiquei todos os links. O texto original com as referências tá disponível nesse LINK.


TEILHARD DE CHARDIN (Pierre)
« Jesuíta e paleontologista francês (Puy-de-Dôme, 1881; New York, 1955. A obra científica de Teilhard de Chardin situa-se principalmente na Ásia : descoberta do Sinanthropo (1929), explorações na Índia, em Java, participação no Cruzeiro Amarelo (1931, etc.). Seus escritos teológicos e filosóficos, proibidos pela Igreja durante sua vida, foram divulgados depois de sua morte. Iluminados por uma visão sintética do desenrolar universal da Evolução, eles dão valor ao fenômeno de complexificação cerebral do phylum humano, que levou ao aparecimento da consciência de si mesmo ("passo" da reflexão), depois a uma rede mundial de comunicação dos pensamentos humanos, a noosfera, no coração da qual age o "Cristo Evolutor" e é quem conduz a Humanidade, de maneira imanente e transcendente, ao mesmo tempo, para o "ponto Omega" (Reino de deus). Ele escreveu um livro de destaque, "O Fenômeno Humano," publicado depois de sua morte. »
Le Grand Larousse Universel, Tome 14, p. 10095.


A NOOGÊNESE ESTÁ PROGREDINDO ?


Diante de tantas forças de destruição, neste fim de milênio, a "consciência planetária" de Teilhard de Chardin continua sempre se realizando?

1. Noogênese e Noosfera


Antes de tudo, é preciso esclarecer esses dois termos, que geram enormes confusões relativas à compreensão de duas realidades diferentes às quais eles se referem.
Noogênese, do grego noos = mente (alma, espírito, pensamento, consciência) e gênese = origem, (formação, criação, como "a criação do mundo"), é uma palavra que indica o ato da criação de qualquer coisa de psíquico.
Noosfera, também do grego noos = mente (alma, espírito, pensamento, consciência) sphera (corpo limitado por uma superfície redonda), é uma palavra que representa a camada psíquica nascida da Noogênese, que cresce e envolve nosso planeta acima da Biosfera (camada formada pela multidão de seres vivos, que cobre a superfície do globo).
Quando o Homem apareceu na Natureza, "no meio dos Primatas," ele desabrochou como "a flecha da Evolução zoológica". Ele era semelhante aos outros animais, exceto pelo fato de que ele trazia consigo uma diferença toda especial : a capacidade ainda adormecida de refletir. No estágio de hominização, os primeiros hominídeostinham, em latência, um cérebro capaz de refletir, mas um sistema nervoso ainda primitivo. O movimento dispersivo do primeiro povoamento da Terra não favorecia a comunicação por agrupamentos. Em seguida, entretanto, durante o princípio da etapa do Homo Sapiens, no alvorecer da Era Neolítica, a Humanidade começava a se reunir, formando uma linha convergente sobre a Terra ; a aglomeração tornou-se necessária. Essa condição favorável encorajou o Homem a dar o Passo da Reflexão. Então um fenômeno muito especial é produzido : o nascimento de uma nova esfera planetária, acima da Biosfera, a Noosfera. A esse processo de dar origem a uma camada planetária inteiramente nova, formada totalmente pelo conjunto do pensamento humano, deu-se o nome de Noogênese.
A Noosfera, portanto, é o resultado da Noogênese ; uma camada mais madura, em crescimento e definitiva, feita pelo conjunto do pensamento do Homo Sapiens. Ela está aberta a todas as modificações sutís, desde o estágio primitivo até chegar a abrigar todo o conhecimento humano, todas as idéias e tecnologias cada vez mais complexas, ou seja, toda a consciência planetária.
Para que o cérebro fosse capaz dessa absorção quase que ilimitada e que o pensamento humano pudesse se desenvolver até os tempos modernos, foi preciso que o Homem sofresse algumas modificações essenciais em seu cérebro e em seu sistema nervoso. Em seu cérebro primitivo, já havia algumas estruturas prontas para se desenvolver, em um movimento semelhante àquele da Evolução, em um movimento de curvatura sobre si mesmas,caracterizado por duas formas específicas . É necessário diferenciar nessas duas formas o que chamamos de soma,que é a expressão do fenótipo geral e o phrên, evoluindo ao mesmo tempo, mas com ritmos e funções diferentes. De interesse particular é o phrên, palavra grega que se refere ao psiquismo, pois é o psiquismo humano que vai "alimentar" a esfera planetária especial que denominamos Noosfera.
Desde o organismo pouco complexo do peixe, ancestral do Homem no ramo dos Cordados-Vertebrados da "Árvore da Vida," pode-se distinguir "duas zonas especialmente significativas do encáfalo": o cerebelo, também chamado de "pequeno cérebro" e os dois hemisférios cerebrais. São as zonas que evoluiram mais do que as outras e que o Homem possui, em uma escala de complexidade bem maior, na grande linha evolutiva de curvatura sobre si mesmas:
"Pois bem, o que nos ensina (sem mesmo o recurso da Paleontologia) a Anatomia Comparada dos seres vivos, é que, de grupo em grupo, começando pelos Peixes, duas zonas especialmente significativas do encéfalo tendem a se sobressair em relação às outras, quer dizer, a concentrar sobre elas os progressos da cefalização : por um lado o cerebelo, - e de outro lado, principalmente, os hemisférios cerebrais ; estes assumindo, nos Répteis mais adiantados (Pássaros) e, muito mais ainda, nos Mamíferos (pelo menos a partir de certos estágios e seguindo certos phyla), um desenvolvimento rápido, revolucionário, envolvente : até monopolizar de certo modo a cavidade endocraniana e recobrir o cerebelo."

Evidentemente, o cérebro do Homem já se tornou bem equipado. Entretanto, pode-se perguntar, diante de tantas forças de destruição, neste fim de milênio, se esse cérebro se tornará suficientemente complexo e suficientemente capaz de reflexão, no sentido "noosférico", para iluminar a rota para o futuro. Para que a Humanidade evite sua auto-destruição no próximo milênio ; para que a Noogênese continue a progredir no bom rumo evolutivo, teremos que esperar por uma nova complexificação ou orientação no Espírito do Homem ? "O Homem, ... eixo e flecha da Evolução", irá tornar-se mais compreensivo em relação a seu Próximo e mais aberto espiritualmente em relação à fonte de sua Criação ? Ele irá empregar todos os enormes recursos materiais e técnico-sociais do planeta, para criar maiores vínculos econômicos, sociais e espirituais, em vez de se permitir capitular diante das forças de repulsão e de desintegração ?

2. A Retomada da Evolução


No capítulo sobre a formação da Noosfera, do Grupo Zoológico Humano, Teilhard procura nos convencer de que o Homem entrou agora no período da "Retomada da Evolução e Neo-cerebralização" e que a Humanidade está evoluindo «Em direção a mais cérebro» GZH, pp.148-150):
"Desse modo, no interior da Noosfera em vias de compressão, uma nova corrente se desenharia, especialmente central e direta : a cerebralização (efeito superior e parâmetro da curvatura cósmica), fechando-se sobre si mesma em um processo de auto-acabamento ; uma auto-cerebralização da Humanidade, tornando-se a expressão mais concentrada da retomada reflexiva da Evolução.*
*Aquí reaparece e se acentua, até tornar-se dominante, a distinção entre soma phrên, colocada acima, (GZH, p. 57) - Com o aparecimento sobre a Terra da 'Socialização de compressão' (onde o fator mais importante não é mais simplesmente a multiplicação dos indivíduos, mas sim sua capacidade ultra-cerebralizante) estabelece-se de fato um novo regime de evolução biológica, no qual os indivíduos, funcionando ainda como elos por seu germen (prolongamento do 'phylético' no Humano, sob forma de fibras hereditárias sempre reconhecíveis, apesar de estarem cada vez mais entrelaçadas), afirmam-se principalmente pelo seu phrên, como elementos constitutivos do 'cérebro noosférico' (órgão da reflexão coletiva humana)."

A Evolução, Teilhard nos afirma, não chegou a seu fim ; ela retoma seu curso, no mesmo processo de curvatura sobre si mesma, mas desta vez como uma Evolução consciente de si mesma, originando uma nova etapa da Noogênese, que não cessou depois da criação da Noosfera. Muito pelo contrário, através da super-população da Terra, a Noogênese está progredindo, debaixo de nossos olhos cegos, de salto em salto, em direção ao futuro.
Então, como reconhecer esse progresso, esta nova etapa da Noogênese ? Haverá esperança de uma verdadeira consciência planetária no terceiro milênio ? Ousaremos esperar uma era onde a matéria será posta a serviço do Espírito, ao inverso do que acontece hoje ? Se a resposta é sim, como se efetuará essa mudança ?
Segundo Teilhard, ssa retomada da Evolução acontece através de mutações sutís, de geração em geração, como umcontinuum, seguindo o phylum genético, que tem sua origem nas sombras do enorme Passado do Homem. Ela é visível a nossos olhos alertas em pequenas nuances que podem ser observadas de modo notável no espaço de algumas gerações. Vejamos o fenômeno da Prolepse, ou seja, a diferença de altura entre uma dada geração e sua descendência. Nesse caso, a geração F2 é mais alta do que a geração F1. É um fenômeno já estudado pela Ciência há algumas décadas, anteriormente mais disperso, mas atualmente mais frequente. Observado antigamente somente nos povos do Norte da Europa, mas hoje em dia é evidente nos povos do mundo inteiro, sem distinção de raça ou de consangüinidade.
Paralelamente a essa mutação, há uma outra diferença no QI das gerações mais jovens, onde se pode obervar facilmente uma sensível diferença a favor das gerações F2. Isso vem provar, lembrando-nos da "Lei de Complexidade-Consciência" que rege a Evolução, tendo em mente o desenvolvimento das estruturas do cérebro, que se trata de um movimento de Cerebralização. É uma complexificação cerebral,tanto física como psíquica : física, levando-se em conta a especialização dos neurônios com o aumento de comprimento das fibras nervosas, necessário para ocupar maior espaço em um corpo físico de altura maior e com um cérebro mais complexo ; e psíquica, em relação ao comportamento do Homem, que, seguindo a lei principal, torna-se mais consciente de si mesmo e agora procura maior Individuação, em uma convegência interior que está em harmonia com a direção evolutiva.
Esse movimento de Cerebralização através de mutações psíquicas, como também físicas, prepara a próxima etapa evolutiva, porque, como Teilhard nos explica, "A Evolução é uma transformação primordialmente psíquica"(PH p. 163). Diante dos "limites orgânicos do cérebro," o movimento, no futuro, seria no Espírito da Humanidade (A Sobrevida, PH IV p. 280).
["... Elevando-se em direção aos maiores complexos, o mesmo elemento 'psíquico,' desde seu primeiro aparecimento nos seres humanos, manifesta, em relação à sua matriz de 'complexidade,' uma tendência ao domínio e à autonomia. Nas origens da vida, poderia parecer ser a sede de organização (F1) que, em cada elemento individual, engendra e dirige seu centro relativo à consciência (F2). Entretanto, subindo mais alto, o equilíbrio se inverte. Sem engano, desde o primeiro "passo individual da reflexão" --- se não antes --- é F2 que começa a se encarregar ('por invenção' ?) do progresso de F1. Depois, subindo mais alto ainda, ... chegando-se no limiar (conjecturado) da reflexão coletiva, encontramos F2 destacando-se aparentemente de sua limitação temporo-espacial para se unir à sede suprema e universal Omega. Depois da emergência, vem a emersão. Nas perspectivas da involução cósmica, não apenas a consciência torna-se co-extensiva ao universo, mas o universo continua em equilíbrio e em consistência, sob a forma de pensamento, em um pólo supremo da interiorização." (Postscriptum, PM p. 309) ]
Uma questão surge nesse ponto, mas impossível de se provar, tão escondida ela está na duração do Tempo, no próprio começo da hominização, que é a seguinte : Trata-se de um só phylum genético, ou por outro lado, de diversos phyla ? Se fossem diversos phyla, isso explicaria a diferença das raças humanas e o povoamento dispersivo inicial, aparentemente sem lógica, ao acaso, mas logo agrupando-se e estabelecendo-se em zonas demarcadas do planeta.
Esta questão deve talvez ter sido levantada e estudada pelos cientistas modernos, que com os avanços da Ciência Moderna, dispõem agora de infinitos recursos para levantar o véu de alguns dos antigos "mistérios".
Na opinião de Teilhard, "todos os ramos humanos unem-se geneticamente em baixo da escala, no próprio ponto da reflexão." (PM p. 188) Em uma nota no rodapé da mesma página, ele acrescenta sua convicção de que a Ciência do Homem poderia pronunciar-se a favor do monophyletismo ( apenas um phylum genético).
É esta, em essência, a explicação de um só phylum genético no início. Não é provável que a Ciência possa provar empiricamente a verdade da teoria dos diversos phyla. É pena, pois isso nos deixa no campo perigoso das perguntas sem resposta, que se referem à nova dimensão do Homem e de seu psiquismo.
Assim, quando se vai exminar o comportamento do Homem Moderno, é preciso dar-lhe um sentido ; perscrutar sua motivação final ; e não nos perdermos em considerações tão detalhadas de sua estrutura física, tão aperfeiçoada, que vem coroar a Evolução. Mas, para que esse fenômeno humano tenha um sentido, é preciso supor uma outra estrutura dinâmica no Homem, que seria seu Espírito, sua alma, esta não possuindo um "locus" palpável em todas essas ramificações especializadas cerebrais ; mas a qual vai orientar seu comportamento psíquico daquí por diante, em direção a maiordesenvolvimento espiritualpara a Era da consciência coletiva no futuro.
Teilhard tinha a convicção de que "a caminhada da Humanidade, prolongando a de todos os seres vivos, desenvolve-se incontestavelmente no sentido de uma conquista da matéria, posta a serviço do Espírito,... o Pensamento aperfeiçoando artificiosamente o próprio órgão de seu pensamento, a vida retomada para adiante sob o efeito coletivo de sua Reflexão." (A Sobrevida, PH IV p.250)*
(* Para citações mais detalhadas do último livro do Fenômeno Humano, cf. (A Sobrevida, PH IV) :
Infelizmente, neste fim de milênio, pode-se perguntar se "a caminhada da Humanidade" não se enganou de estrada, pois ela parece caminhar, de preferência, em direção a uma Era onde o Espírito seria colocado a serviço da Matéria.
No desespero de encontrar "paz sobre a Terra," sem mesmo pensar na paz dentro de si ; para fugir aos conflitos da Terra ; para se afastar das forças negativas de desintegrção, de repulsão, de materialização, de mecanização, detotalitarismo e de falsas ideologias que destroem a reflexão, o homem pensante de hoje interioriza-se, curvando-se sobre si mesmo em busca de maior Individuação. Ele tende a se isolar e procura "tornar-se mais solitário para Ser mais profundamente." (A Sobrevida, PH IV pp. 237-238) Pelo excesso de sua individualização e de sua luta pela vida, ele se engana, sucumbindo facilmente à sobrevivência do mais apto e ao racismo, ou então ele sonha em fugir dos outros e da Terra, procurando outros planetas ou outras dimensões de existência...

3. Efeitos sobre a Noosfera


Todo esse processo de retomada da Evolução não poderia se efetuar sem estar de acordo com a lei principal deComplexidade-Consciência e sem abranger, também, simultaneamente, a corpusculização planetária do Cosmoscomo um todo, que, seguindo a lei de Convergência,(« Tudo o que sobe, converge »), leva-nos a pensar em umUniverso que se recurva ao se expandir.
É como se esse processo subjugasse nosso pequeno planeta, com suas tendências, reconhecidas pela Ciência Moderna, de entropia e de desagregação da energia. Mas não são processos, entretanto, com resultados negativos, pois a entropia, por um lado negativa enquanto que ela destrói a ordem, torna-se em seguida positiva, enquanto que ela contribui para a construção, junto com a energia salva da desagregação em marcha, de novos parâmetros de ordem, em um nível superior, baseados nas mutações originadas dos anteriores Progressos da Noogênese.
Como a Noosfera é um envelope feito pelo pensamento humano, ela evolui simultaneamente com o conjunto da evolução da consciência planetária. Mas a Humanidade, em vias de totalização pela Socialização de Compressão,mostra-se preocupada em escapar às tensões produzidas pela super-população étnica, ao Totalitarismo sempre agressivo e aos perigos constatados da Entropia e da Desagregação da Energia e aos desastres ecológicos que ameaçam a destruição de nosso planeta. Todos esses fatores parecem tornar impossível as perspectivas de uma vida digna e pacífica para o Homem em um futuro próximo.
Parece-nos que chegamos a um impasse. Seria possível que a Noosfera tenha atingido seu ponto de Saturação,onde as chances de sucesso ou de insucesso seriam, ou irreversíveis, ou indiferentes para o Homem moderno, sempre preocupado com sua sobrevivência física e com seu bem-estar material ? (GZH pp. 160-162)
O que se poderia fazer para encorajar, para garantir que a "auto-cerebralização da Humanidade [torne-se] a expressão mais concentrada da retomada reflexiva da Evolução" (GZH pp.148-150) que caminha "em direção à conquista da matéria, posta a serviço do Espírito" (A Sobrevida, PH IV. p.250) ?

4. Soluções possíveis para as Saídas do Mundo Terrestre


Em seu artigo "Noosfera e hypermundo", Pierre Berger, jornalista do Mundo Informático, cita estes pensamentos de Teilhard em seu livro "O Futuro do Homem", a respeito de nossa "Sobrevida" :
(AH, p. 360) "Omega é o grande atrator do regime de socialização compressiva, no qual acabamos de entrar ; nada nos permite prever uma atenuação e ainda menos o fim. Nessas condições, é evidente que não nos serviria de nada procurar escapar do turbilhão que se encerra ao redor de nós. Por outro lado, o que é importante ao extremo, é saber como, nesse turbilhão, orientar-nos e nos comportarmos espiritualmente, de tal modo que o aperto totalizante ao qual estamos submetidos tenha por consequência não o fato de nos desumanizar através da mecanização, mas (como parece possível) superumanizar-nos através da intensificação de nossos poderes de compreensão e de amor.
... Até nas zonas mais espiritualizadas de nosso ser, certas necessidades interiores subsistem, sem dúvida, que forçam inexoravelmente a prosseguir sem parar a nossa caminhada para adiante. ... Imitando e, pouco a pouco, alternando com a tendência vinda de baixo, eis portanto que se descobre a aparição de um ponto de atração vindo de cima, como se fosse oganicamente indispensável para a continuação da operação : indispensável para sustentar o impulso evolutivo ; e indispensável, ao mesmo tempo, para criar, ao redor da Humanidade em vias de totalização, o calor psíquico, a atmosfera cordial, fora da qual o empreendimento técnico-econômico do mundo não faria outra coisa senão esmagar as almas umas contra as outras, sem chegar a ligá-las entre si e a unificá-las... não poderia nesse ponto existir... senão um Universo... convergente. Algum cume, alguma revelação vivificadora no fim da trajetória... "
(AH, p.363) "... duas soluções parcialmente divergentes aparecem e se opõem... Segundo alguns ("solução coletivista"), bastaria, para grantir o sucesso biolólico de nossa evolução, que o Humano conseguisse se acomodar um pouco, globalmente, em uma espécie de circuito fechado, segundo o qual cada elemento pensante... conectado com todos os outros, alcançasse uma certa claridade final de visão e um certo calor extremo de simpatia ... mas tudo isso sem a aparição... de nenhum centro... Segundo outros, pelo contrário ("solução personalista"), é justamente algum Centro de reunião, é precisamente algum fim global que é necessário prever e postular... Se, com efeito... uma forma real de amor apareça no coração da evolução --- amor mais forte do que todo egoismo individual e toda paixão particular --- como querem que algum dia a Noosfera se estabilize ? ... Na verdade, para ser coerente, sem pulvelizá-la, a multidão humana,... um campo de atração, ao mesmo tempo poderoso e irreversível, parece indispensável... Assim raciocinam e sentem (pelo menos implicitamente) todos os cristãos há dois mil anos. E assim, ... sob a urgência dos acontecimentos, um número sempre crescente de biólogos e de psicólogos se sentirá obrigado a pensar. Se bem que o maior acontecimento de agora, ao longo da História da Terra, seria talvez, precisamente, a descoberta gradual... não apenas de Alguma Coisa, mas de Alguém, no cume engendrado pela convergência sobre si mesmo do Universo em evolução."
Então, o que se pode predizer como saída para o mundo terrestre ?
Isso vai depender de NÓS, --- de nossa recusa ou de nossa aceitação desse "Alguém" segundo Teilhard. Ele prevê duas possibilidades quase que contraditórias ; mas sempre nos indicando que, em todo caso, nós devemos empregar nossos esforços em direção à boa. (A Sobrevida, PH IV pp. 289-291):
(p. 289) "O fim do Mundo : mudança de equilíbrio, desprendendo o Espírito, por fim completo, de sua matriz material, para fazê-lo repousar daí em diante, com todo seu peso, sobre deus-Omega.
O fim do Mundo : ponto crítico, ao mesmo tempo de emergência e de emersão, de amadurecimento e de evasão."
(p. 290) "... Mas também pode ser que, seguindo uma lei à qual nada ainda escapou no Passado, o Mal, crescendo ao mesmo tempo que o Bem, atinja no fim seu paroxismo, ele também sob uma forma especificamente nova. Não há cumes sem abismos."
(p.291) "Recusa ou aceitação de Omega ?
... ao longo e em virtude do processo que a mantém unida, a Noosfera, chegada a seu ponto de unificação, possa se dividir em duas zonas, respectivamente atraídas por dois polos antagonistas de adoração...
... Uma última vez ainda a ramificação."
Então, a única saída possível seria de ordem espiritual, tendo Confiança no grande e trabalhoso processo da Evolução, que, tendo conseguido criar os seres humanos com tantos cuidados, não pode ser concebida como tendo se organizado ao acaso. É preciso afirmar, com Teilhard, que "Sim", é uma Evolução dirigida, consciente de si mesma ; porque há um "Motor" que a orienta e a atrai para Si, o Ponto Omega. Portanto, por que não dizê-lo ? Esse Motor é deus, princípio gerador e ao mesmo tempo final, que realiza em Si o encontro dos dois polos de atração Alfa e Omega e dá ao Homem o pensamento, a consciência, a alma, a  e a Energia doAmor para continuar seu caminho de Paz e de Construção de um Futuro digno para todos nós. 1
* Não é que já nos disse São Paulo o em su carta aos Efiseus (1:0-10, LSG) ?
"... Porque deus nos fez " conhecer o mistério de sua vontade, segundo o plano benevolente que ele havia formado em si mesmo, para executá-lo quando os tempos houvessem chegado, de reunir todas as coisas em Cristo, aquelas que estão nos céus e aquelas que estão sobre a terra."
É o que se chama "Plerome " , como Teilhard nos explica no segundo capítulo do Mio Divino (p. 135):
"... Essa Realidade suprema e complexa, para a qual a obra divina nos constrói, qual é ela ? São Paulo, junto com São João, revelou-nos... ; é o misterioso Pleroma, quando o Uno substancial e o Múltiplo criado se encontram sem confusão, em uma Totalidade que, sem nada acrescentar de essencial a deus, será pelo menos uma espécie de triunfo e de generalização do ser."

« O Cristo Evolutor » :

Teilhard dá testemunho da realidade de sua fé no "Cristo Evolutor" no Epílogo do Fenômeno Humano : OFenômeno Cristão, (PM pp. 293-294):
["Como lemos em São Paulo e em São João, lemos também que criar, construir e purificar o mundo é, para deus, unificá-lo, unificando-o organicamente consigo mesmo. Como Ele o unifica ? Imergindo-Se parcialmente nas coisas, tornando-Se 'elemento'; e depois, dessa posição vantajosa no coração da matéria, assumindo o controle e a direção do que chamamos de Evolução. O Cristo, princípio da vitalidade universal tendo Se manifestado como Homem entre os homens, colocou-Se na posição (sempre mantida) de englobar sob Si mesmo a ascenção geral das consciências nas quais Ele se inseriu. Através do ato perpétuo de comunhão e de sublimação, Ele agrega para Si mesmo o psiquismo total da Terra. E, quando Ele houver reunido tudo e tudo transformado, Ele tornará a se fechar sobre Si mesmo e Suas conquistas para retornar enfim, em um gesto final, ao lugar divino de onde Ele nunca saiu. Então, como nos disse São Paulo, deus será Todo em tudo. É a expectativa de uma unidade perfeita, mergulhada na qual cada elemento atingirá sua consumação ao mesmo tempo que o Universo.
O Universo se realizando em uma síntese de centros em conformidade perfeita com as leis da união. deus, o Centro dos centros. Nessa visão final, o dogma do Cristianismo se culmina. E tão exatamente, tão perfeitamente essa culminação coincide com o Ponto Omega, que, sem dúvida, eu não teria jamais me aventurado a antecipar Sua visão, ou formulado a hipótese racionalmente, se, em minha consciência de crente, eu não houvesse encontrado, não apenas seu modelo especulativo, mas também sua realidade viva." ]

5. E o Progresso da Noosfera no futuro?


Assim, sob que forma, seguindo quais linhas, poderíamos conceber o progresso dos efeitos "noosféricos" no futuro ?
Eis a visão otimista de Teilhard, há mais de cinquenta anos (A Sobrevida, PH IV pp. 279-280, p. 287) :
(p.279) "Sob que forma e seguindo quais linhas, --- na única hipótese aceitável de um sucesso, --- podemos imaginar que... irá se desenvolver o Progresso ?
Antes de tudo, sob uma forma coletiva e espiritual - Desde a aparição do Homem, pudemos observar um certo retardamento de transformações passivas e somáticas do organismo, em benefício de metamorfoses conscientes e ativas do indivíduo quando em sociedade. O artificial alternando com o natural. A transmissão oral ou escrita sobrepondo-se às formas genéticas (ou cromossômicas) da hereditariedade..."
(p.280) "Pode ser que, em sua capacidade e em sua penetração individuais, nosso cérebro tenha atingido seus limites orgânicos. Mas o movimento não cessa por causa disso. Do Ocidente ao Oriente, a Evolução está ocupada, daquí por diante, em toda parte, em um campo mais rico e mais complexo, construindo, com todos os espíritos reunidos, --- o Espírito --- acima das nações e das raças, como um todo inevitável e já se formando, da Humanidade."
(p.287) "A Humanidade possui, diante de si, possibilidades imensas... Depois do Passo da Reflexão, graças às surprendentes propriedades do 'artificial' que, separando o instrumento do órgão, permite ao mesmo indivíduo intensificar e variar indefinidamente as modalidades de sua ação, sem perder nada de sua liberdade, - graças, ao mesmo tempo, ao poder prodigioso do Pensamento de aproximar e de combinar, em um mesmo esforço consciente, todas as partículas humanas, nós entramos em um campo absolutamente novo de Evolução. ... Nós ainda não temos idéia da grandeza possível dos efeitos "noosféricos." A ressonância das vibrações humanas de milhões ! ... O produto coletivo e aditivo de um milhão de anos de Pensamento !"
Como testemunham estas palavras de Jean-Pierre Luminet, astrofísico, diretor de pesquisas no CNRS, esse "produto coletivo e aditivo" da Consciência planetária é bem evidente com a Internet neste fim de segundo milênio ; o que dá realidade ao Progresso atual dos efeitos "noosféricos" :
"Com a Internet, essa consciência planetária, tão decantada por precursores como Teilhard de Chardin, torna-se palpável. No cybermundo, a noção de estrangeiro não existe."

E O PROGRESSO NOOSFÉRICO NO PRÓXIMO MILÊNIO ?


CABERÁ A NÓS!


Fonte: 

Consciência Planetária

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...