"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A luta segue, e segue...

Cromatografia do Fladen, Oliver Blanco
por Sebastião Pinheiro
20 de outubro 2016

Viva Zapata! A luta segue, e segue...

O amigo, prof. Zeca (Pampa-Selva) Pires, me fez pensar quando postou sobre um novo de análise de solo. Com apenas três anos, em 1950, a morte de meu pai obrigou a entender e estudar as violências antes de compreender o porquê da vida. O positivo é que adquiri a capacidade de perceber as sofisticações e fantasias por trás das violências.

Nos últimos anos debrucei sobre análises de solo um pouco além do sentido tecnológico de Liebig, Henry, Rothamstead, Rockefeller, TVA ou Yagodín. O postado mostra uma nova ferramenta que propõe mudança, mas pode escamotear a manutenção da ideologia ao que os vulgares dizem: “Mudam as moscas, mas o substrato permanece o mesmo”.

Destemido, despretensioso e sem soberba orgulho-me dos enfrentamentos e embates contra as violências antropo-etno-tecnológicas e todas as derrotas que contribui nas pretendidas vitórias que desejava construir.

1. O BACULLOVIRUS alastrou pela soja e quem deveria apoiar com logística e estratégia sempre esteve com suas táticas sorrateiras solapando-o induzidos pelas empresas de venenos contrariadas e prejudicadas pela queda nas vendas, pois as oito aplicações caíram para 0,5/Ha em toda a soja. Não imaginam quantas vezes fui alertado sobre o risco de usar lagartas sem o conhecimento do número de cápsides ativos para garantir um controle efetivo. Eram doutos professores e pesquisadores de pedigree. Foram mais de duas décadas de uso sem qualquer problema. Mas, como bem disse a Assentada M. G. Gonçalves, a escola deseduca e impõe a subserviência ao status. As autoridades pressionadas cumpriram ordens internacionais e o Bacullovirus foi para a lata do lixo. Hoje um livro sobre o seqüenciamento genômico do Bacullovirus custa mais de 800 dólares e nele não há uma referencia aos doutos nativos, nem sequer aos adventícios, pois todo o material foi apropriado pelas mesmas empresas de agrotóxicos que não queriam a “alternativa” fora do seu tempo.

2. Igual destino teve o Controle dos AGROTÓXICOS (Receituário Agronômico), quantas horas de cursos, treinamentos gratuitos por mais de duas décadas. Eu gostaria de ganhar 10 dólares por cada vez que escutei: “Temos a melhor lei de agrotóxicos do mundo”. Sim, eu já teria comprado o Aston Martin dos meus devaneios vulgares. Conquistamos a lei estadual e nacional, no entanto elas nunca foram aplicadas, pois seu elogio era para anulá-la e manter-se a corrupção cartorial daqueles com dever de ofício. Do alto de sua ignorância foi dito, que era preciso usar os agrotóxicos para que os pobres pudessem comer. É por isso que os EUA são o terceiro consumidor, e em queda acelerada. A lei nacional não aplicada foi mudada três vezes para atender interesses industriais. O descalabro foi nomear o Presidente Executivo do lobby dos Agrotóxicos para chefiar a Câmara Setorial do Governo. Ele fez as vendas crescerem mais de 300 por cento, isto quando as sementes transgênicas surgiam para diminuir o uso dos venenos. Enquanto, os militantes no governo criaram a Campanha “Permanente contra os mesmos. Aqueles mesmos professores, pesquisadores que diziam nos anos 70 e 80 que o uso de veneno estava diminuindo, pois os clorados e fosforados estavam sendo substituídos por piretróides sintéticos que tinham pequena concentração por isso era usado maior quantidade. Hoje pedem o olhar misericordioso e condescendente;

3. Os BIOFERTILIZANTES são já conhecidos há mais de 35 anos na agricultura a partir do RS, mas somente agora os entreguistas podem festejar o surgimento do SERENADE®, apenas um “ALINIT” de 1893 da mesma empresa com alterações genéticas para proteção; Há orgulhoso status em consumi-lo...

4. As SEMENTES AGROECOLÓGICAS, que deveriam ser idealizadas por dever de Estado, mas sem autorização imperial, ficou revolucionaria à cargo dos “SemTerra” reforçando a ironia fina do Prof. Darcy Ribeiro;

5.
Sobre as FARINHAS DE ROCHA é interessante que um estrangeiro leu um livro em português e criou uma ONG financiada pela primeira Government NGO e logo um séquito servil articulou a nova legislação sobre as mesmas para atender os interesses das grandes corporações de insumos e serviços na agricultura. Não obstante, há hoje mais de cem empresas produzindo “Pós de Rochas” na América Latina.

6. A AUTOCERTIFICAÇÃO CAMPONESA foi a resposta derradeira à picaretagem das certificações LEISA & SARD (Conferência em Hertogenbosch/91), imediatamente denunciada. Lembro um corrupto que para justificar-se choramingava: “Não se pode ignorar 80 bilhões de dólares ano”. Hoje Coca-Cola, Nestlé, Cargill e Pepsi hegemonizam o mercado de orgânicos, controlam seus preços e subvencionam muitas ONGs. Mas apesar deles a Auto-certificação Camponesa é mundial;

7. Por fim, mas muito longe de ser finalmente, o prof. Zeca (Pampa-Selva) Pires nos alerta sobre as novas análises. Estamos esperando isso, igual ao Bacullovirus OGM, Serenade OGM , legislações, etc. há muito tempo. É por isso que o prof. Zeca e outros na América Latina já possuem seus Campos de Metagenômica com a finalidade de “Transplante de Células Tronco do Microbioma do Solo” e Observações Metaproteômicas in situ na terra camponesa. Através da Cromatografia de Pfeiffer avançamos na análise das "Huminas Álcali Insolúvel" e "Huminas Álcali Solúveis", importantes na fixação de Carbono, Nitrogênio, Enxofre e minerais raros nos Biomas Pampa e Cerrado e avaliar os impactos de fungicidas e herbicidas sobre a Saúde no Solo. Há os mais avançados que vão além integrando nela as homeopatias (foto) feita por eles na ETA – Viamão.

8. Ansioso espero a nova derrota agradecendo a oportunidade, pois o Prof. Milton Santos alertou: “A força da alienação vem dessa fragilidade dos indivíduos, quando apenas conseguem identificar o que os separa e não o que os une... O mundo não é formado apenas pelo que já existe, mas também pelo que pode efetivamente existir”. Não há o que temer, pois temos tempo, muito tempo. 

9. Eles são especialistas em “Matopiba” onde duas empresas mandam (uma delas é dona de todo o fertilizante fosfatado do mundo e preocupa a milicaiada latinoamericana, que está livre da faina nos golpes de Estado e de caçar políticos da Guerra Fria. Eles ainda ignoram o que seja “ecopoiesis” das corporações sobre o Biopoder Ultrassocial Camponês. Sim, a bola da vez imperial é o judiciário, mas precisa modernizar-se.

10. "Toda comodidade é cara, aliena e retarda a evolução do cérebro” pelo que a primitiva parte “reptília” é ativada de forma subliminar para o consumo através do dinheiro, status sem sentimentos, sabedoria e dignidade.

11. “Ex nunc” (a partir de agora) permite a torção do enredo (plot twist) contra a falsa sensação de consolo do que não pode ser encontrado em outros fenômenos (Nietzsche). “Deus ex Machina” é da coxia da tragédia grega e deve por lá perambular, quando os doutos andam não mais à cavalo, porém no Jet set internacional.

Perdão, Mestre Quintana saiu hendecassílabo. Ignoramos que o penteado da Princesa Leia Organa, de Guerra das Estrelas foi copiado do povo Hopí (FOTO). Imitamo-los tocando flauta ao luar conscientes como o Kokopili para ajudar a vida crescer integrando o pó de estrelas ao microbioma com harmonia. O Oliver enviou um croma de Fladen, que é idêntico ao da Agua termal de Vicente Dutra feito pelo M. Fiametti, "E la nave va"


O vento leva as respostas (The answer blowin’ the Wind) enquanto as perguntas agridem meu rosto (However questions knock in my face), mas sem qualquer violência (but without any violence).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...