"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Segundo cérebro e a água de Porto Alegre


por Sebastião Pinheiro

A colega Raniera solicitou informações sobre a água de Porto Alegre. Meu sarcasmo pampeano permite intitular essa resposta: Do “bigstick” de Eisenhower ao tapinha nas costas de Obama.
foto 1
O livro “The Second Brain” (O Segundo Cérebro), do médico Michael Gershon é “Best Seller” e causa comoção ao denunciar a destruição pelos hábitos de vida impostos pelo “Complexo Agro-Industrial, Alimentar, Financeiro (agronegócios). Há 42 anos, em Brasília, quando o Brasil reatou relações diplomáticas com a China, suspensas dez anos antes quando a missão diplomática daquele país foi presa, expropriada de seu dinheiro, condenada e posteriormente indultada e expulsa nos dias seguintes ao golpe militar (foto 1); O ditador Geisel recebeu a nova comitiva chinesa (foto 2) e para luzir sua ação social, naquele então a palavra Social nem constava no nome e sigla do BNDE, disse aos comunistas asiáticos que, toda criança na escola brasileira recebia uma merenda escolar. O pobre tradutor chinês da missão ficou numa saia justa, pois não conseguia traduzir a intenção das palavras do ditador sobre o termo merenda, o tradutor brasileiro tentou explicar, mas a comitiva estrangeira não conseguia entender o porquê de se comer na escola de um turno. Depois de algum nervosismo e sorrisos amarelos dos locais. O chefe da delegação foi claro e objetivo: “Na China toda criança sai de sua casa o suficientemente alimentada para não necessitar comer na escola, pois isso prejudica o seu aprendizado”. A parte final da tradução para o português ficou incompleta graças ao “desconfiômetro” do tradutor nacional, e até mesmos os estrangeiros entenderam.
foto 2
Primeiro a “cantina”, e depois a merenda escolar, desde então continuam sendo um dos itens de maior corrupção na educação do país pelo interesse da indústria de alimentos. O INAN e PRONAN foram criados pela lei 5.829/72 e regulamentado pelo Decreto 72.034 de 31 de março de 1973, um dia antes do décimo aniversário do golpe militar pelo carrasco Médici, mas as políticas doSAN começaram no Estado Novo no interesse da indústria futura (No Colégio Batista Brasileiro em 1954 todos os alunos receberam creme dental e escova da Kolynos que ensinou a escovar os dentes e logo em seguida a Nestlé distribuiu jogos e latinhas de Nescau).
Já passou mais de meio século de muita euforia e milhões de crianças continuam tanto mal educadas quanto famélicas recebendo sua única alimentação na escola ou complementando-a com o “Bolsa Família”, que carece de qualidade. O que preocupava o embaixador chinês agora é exponencial.
Itamar Franco pretendeu acabar com a mega corrupção ao municipalizar a merenda escolar através da Lei 8.913 de 1994. Contudo, o estado de SC deu um exemplo ao exigir que a alimentação escolar fosse natural e orgânica com a Lei 12.601 de 18 de Dezembro de 2001. Antecipando-se o governo federal editou a medida provisória N. 2178-36 centralizando os recursos para a aquisição da mesma, ludibriando a qualidade e natural.
Com a Lei 11.947/09 o governo federal tornou monopólio a compra por entidades alinhadas a ele, e fez muito alarde e propaganda. As quantidades compradas nunca atendem a necessidade nacional, quando os gastos em propaganda sobre a referida política pública gastou pelo menos dez vezes aquele valor em proselitismo vazio e eleitoreiro, mas não política pública consolidada.
O tempo passou. A China é uma potencia mundial com astronautas e mantém o alicerce comunista, mas sua nomenclatura veste “Armani” e usa sapato “Louis Viutton”; Os daqui também, mas as crianças continuam com a tradicional merenda que na maioria das vezes é sopa instantânea, sardinha em lata, macarrão, arroz e Tangs, Q-sucos de todas as cores e sabores. Infelizmente com essa alimentação não vamos ter os cinco Prêmio Nobel que a Argentina tem, nem os três do México, os dois do Chile ou o de Peru, Colômbia e Guatemala. Nem nossas crianças serão selecionadas para a produção de matéria fecal para o OPENBIOME BANK do M.I.T, o que poderia, no futuro, transformar-se num segmento de recebimento de divisas maior que o de remessa dos trabalhadores no exterior. Nem terão seu “segundo cérebro” funcionando melhor para ajudar o desnutrido primeiro, sobrecarregado com a merenda e o estudo simultâneo.
Sobre a água de Porto Alegre/RS que está com cheiro hediondo, George Orwell foi lapidar: “In a time of universal deceit, telling the truth is a revolutionary act” (Em tempo de fraude universal, dizer a verdade é um ato revolucionário). Mas, ao assistir a entrevista da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável/RS e ver o Diretor do Departamento de Água e Esgoto da Prefeitura tomar água, lembrei o saudoso Lutzenberger quando a apresentadora Tânia Carvalho em entrevista ao eng. químico Millo Raffin, ele rebateu as informações técnicas: “O que o tecnocrata está dizendo é que em cada copo de água potável distribuída pode haver uma colherinha de merda dissolvida”. Era época do Prefeito (indicado pela Marinha) Socias Villela no regime autoritário.
O tempo passou, envelheci e triste acompanho as informações que o cheiro presente na água é devido à Actinomicetes, um singelo absurdo. BuckminsterFuller ensina: “You never change things by fighting the existing reality. You change something by building a new world that makes the existing model obsolete” (Você nunca muda as coisas lutando contra a realidade existente. Você muda algo através da construção de um novo mundo que faz com que o modelo existente fique obsoleto). Ignorar não só ciência e tecnologia, mas invariavelmente a cordura e bom senso é a formação do tecnocrata heteronômico.
A hidrologia no RS mostra que mais de 33% da água passa pela cidade de Porto Alegre carregando tudo que, desde os limites das bacias é nela suspenso ou dissolvido. O tratamento de potabilidade e higienização física e química, já não consegue manter a qualidade biológica e a água perde vida.
O impacto dos resíduos de Glyphosate que aumentou significativamente nos últimos 18 anos e é um poderoso quelador de todos os minerais. Minerais fundamentais no metabolismo da microbiota na água para sua purificação e qualidade. Os trabalhos científicos de Antony Samsel & Stephanie Seneff , do MIT sobre os impactos sanitários sobre o sistema enzimático dos citocromos (CYP) causando a depleção de sulfatos (Fe, Mn, Co, Mo y não formação do DMSO precursor do MSM, etc.) com um amplo espectro de alteração nos metabolismo de protistas, plantas e animais. Algas produzem toxinas altissimamente perigosas em épocas especiais do ano em blow up e o Glifosato provoca isso.
Cidadãos em sociedades soberanas não necessitam de adjetivos junto aos nomes para esclarecer valores, pois entendem a significação e significado semântico nas coisas, senso comum ou consciência coletiva. Sociedades dominadas ou alienadas adoram adjetivos embelezando substantivos por não ter memória cívica.
Há aproximadamente 30 anos começamos a escutar os termos: “segurança alimentar”, “sementes crioulas” e “sustentabilidade” repetidos de forma impertinente nos movimentos sociais, mídia, órgãos de governo, e, principalmente nos documentos dos organismos multilaterais. Sempre que uma ordem está a ser implantada os neologismos surgem para educar e aculturar consumidores e gestores políticos heteronômicos. 
A repetição à exaustão por pessoas humildes leva ao messianismo, o que é bem explorado pelo poder e mercado. 

O termo “segurança alimentar” oriundo do desenvolvimentismo da sociedade industrial através da SAN no Estado Novo foi substituído pelo de “soberania alimentar” da OMC manipulado e induzido no meio político subalterno e posto ao serviço da indústria de alimentos, beneficiada com a troca.


No mundo a maior indústria é a de alimentos e sua pretensão é libertar-se totalmente e definitivamente da agricultura e natureza para seu poder supremo sobre a energia alimentar, o que significa crescimento continuo.
Sugestivo, um irônico yankee diz: - É por isso a segunda indústria é a de medicamentos.
Diversos artigos em revistas científicas começam a propalar o novo vocábulo: “segundo cérebro”, neologismo para os intestinos, pois o seu funcionamento garante a qualidade do “primeiro”, o mais vital do corpo. A ciência comprova que o funcionamento dos intestinos influi sobremaneira nos sistemas imunológico, endócrino e nevrálgico através do cérebro [The enteric nervous system consists of some 500 million neurons,[6] (including the various types of Dogiel cells),[1][7] one two-hundredth of the number of neurons in the brain, and 5 times as many as the one hundred million neurons in the spinal cord.[8] The enteric nervous system is embedded in the lining of the gastrointestinal system, beginning in the esophagus and extending down to the anus.] wikipedia
Há quatro epidemias mundiais (foto3):

Nele se enquadram:
- A “Doença Renal Crônica”, provocada pelo herbicida conforme os trabalhos dos cientistas acima;
- A “Epidemia crescente de Diabetes” detonada (despertar de genes) pelo efeito gatilho do referido agrotóxico.
- O “Autismo” provocado pelo uso do referido herbicida aplicado sobre as sementes transgênicas; É afirmado que 50% das crianças nascidas nos EUA em 2032 serão autistas.
- A outra é a “Disbiose Intestinal” ou Síndrome do Intestino Irritável com mais de um milhão de pacientes e que já matou somente nos EUA 50 mil pessoas, pois a indústria de alimentos é hegemônica às refeições. Os principais agentes da disbiose são o Clostridium difficile e as Salmonelas. Estes dois patogênicos oportunistas são facilmente controlados por saprófitos através de sideróforos, mecanismo que somente os saprófitos dispõem para solubilizar os sais de ferro no ambiente tornando o metal indisponível para os patogênicos. Os sideróforos são destruídos pela ação quelante do Glyphosate e a microflora perde diversidade, cuja persistência na água é termoestável até 370ºC e biologicamente indestrutível por ser bactericida e fungicida destruindo os ciclos do Enxofre, Nitrogênio e Oxigênio do Efeito Estufa da mudança climática. Quanto mais diversa e abundante a Microbiota Fecal (nos intestinos) mais facilmente são controladas os referidos patogênicos.
Embasados nos estudos da velha medicina chinesa os cientistas e médicos norte-americanos optaram por uma solução menos radical, ideológica e mais rentável a “sopa dourada”. Uma sopa de excrementos recém expelidos e naturais administrada ao paciente. Este tratamento escatológico recebeu o pomposo nome de Transplante de Microbiota Fecal. Seu desenvolvimento como biotecnologia de ponta trouxe a projeção de um mercado superior ao trilhão de dólares. Pelo que no Massachusetts Institute of Technology (M.I.T) foi criado o OPENBIOME BANK para a compra de excrementos humanos já representa um segmento de bilhões de dólares. Hoje o pagamento é de 40 dólares por dose de fezes além de um bônus de 10 dólares para a doação continua por cinco dias seguidos. O transplantado paga pelo menos mil vezes este valor. O interessante é que médicos e cientistas nos Estados Unidos e México garantem que a epidemia tem sua exacerbação a partir dos resíduos de herbicida Glyphosate® nos alimentos transgênicos e água permitido legalmente. A U.S. EPA já aumentou em 233% sua tolerância nos alimentos.
Ocorre que o principio ativo do Roundup® foi registrado como fungicida e bactericida em 2014 pela Monsanto precavendo-se de responsabilidades perante as autoridades sanitárias e povo norte-americano.
Em microbiologia molecular há o neologismo Metagenômica, (do grego: além da genômica). No intestino há uma diversidade de 4 a 6 x 1030 ( lê-se dez elevado à potencia 30): De 4 a 6.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 indivíduos, dos quais as técnicas tradicionais de cultivo em laboratório e identificação alcançam na atualidade somente 1%. Contudo, a biologia molecular permite extrair seu DNA/RNA, mas não identificá-los em separado.
Trabalhar com esse universo desconhecido exige mudanças radicais. Desde Pasteur, na saúde e Liebig, na indústria de alimentos e agricultura, o dogma é esterilização total e absoluta como base da higiene. Na Metagenômica há um universo desconhecido que necessita ser identificado e conhecido para entender como faz funcionar melhor o primeiro cérebro descortinando um mundo biológico, econômico, financeiro gigantesco que fará tudo existente até agora ser comparado à descoberta da luz e do fogo. Este segmento científico, tecnológico, sanitário, industrial vale muitos bilhões de dólares.

Para as indústrias de Alimentos e Medicamentos, o Openbiome Bank, acelerador do axioma de liberdade da natureza, que enquanto não chega fará o que tem muito dinheiro comer orgânicos (vitalizados) certificados. Quem tiver pouco dinheiro tomará a “sopa dourada”, idem, certificada, quem não tiver sofrera as conseqüências da eugenia biológica, parte do seu dogma capitalista.

Se, a indústria de alimentos chama a endosimbiose em nosso intestino de “segundo cérebro” por razões mercadológicas, mais propriedade há em afirmar que a Microbiota do Solo que alimenta aquela diversidade através da Simbiogênese de Kozo-Poliansky (1924, baseado em “Apoio Mútuo de Kropotkin”, 1890) é muito mais o "segundo coração da humanidade", através da regência ético-moral camponesa, que professa a saúde no solo (Bio~poder camponês). Quando o camponês recebeu a fórmula do biofertilizante sabia que os micróbios eram a nova ferramenta tecnológica, sem se preocupar com sua ação ou identidade, necessidade implícita da indústria de alimentos e sistema financeiro. Quando por resistência Julius Hensel começou a usar os pós de rochas não era necessário defini-lo como um "transplante de células-tronco da rocha-mãe" para a restauração do sistema imunológico do solo contaminado y degradado pela agricultura moderna que provoca a epidemia de disbiose em humanos, que agora procura sustentabilidade e soberania alimentar para os ricos, através da segurança mercantil de seus neologismos.

Em agroecologia com Bio~poder camponês se “elimina as causas” protege o “segundo coração” e elimina as desigualdades, através da saúde no solo, mas somente as "Pedagogia da Autonomia" e Pedagogia da Indignação (Paulo Freire) nos fazem entender que somos pós de estrelas ou “espíritos em jornada humana”, como alertou Teilhard du Chardin. Na Sociedade Industrial periférica “comer merda” é vendido como ciência de ponta, mas desconhecem metagenômica, mesmo quando a estudam. (Foto 4 capa) Crianças comem alimentos naturais em Chiapas (México), onde se pratica e exerce o bio~poder camponês.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

" Má Oi "

por Sebastião Pinheiro
O cientista Roberto da Mata em entrevista à TV afirmou que foi criança em uma casa sem livros. Minha situação era pior, fiquei órfão muito cedo e forçado a “não chorar por não ter sapatos, pois haviam aqueles que não tinham o pé”. O primeiro nome do país independente foi “Império” do Brasil. Na casa onde morava ninguém era alfabetizado, pois escola era para a elite, logo mesmo indo à escola, livro era supérfluo. Aprendi a ler sozinho antes dos 5 anos com outros primos que iam a escola. E além do jornal O Dia, lia emprestada pelo vizinho livreiro as Seleções Reader’s Digest velhas que ele colecionava.

Ler e escrever é muito bom, mas lembro que tomei uma coça aos 11 anos por contestar meu tio, que rato velho não virava morcego, pois são espécies diferentes; Outro “tio” (as aspas, pois ele era casado com minha tia) me deu outra coça, pois ele disse “Orospoque”, para o helicóptero, e eu cai na asneira de corrigi-lo. Hoje, a segurança que a leitura dá a TV retira, pois esconde a realidade ao não permitir a reflexão que ela traduz.

Meu assunto é a Convenção Republicana, seu inicio com os protestos generalizados, que me fez assistir os quatro dias, alternando CNN e FOX no show pirotécnico, algo difícil de digerir pelo pouco educativo, meus tios adorariam. O bizarro eram as prédicas diárias de pastores religiosos que levavam os convencionais ao transe hipnótico. Discursos sem conteúdo ou qualidade, apenas fé partidária dos não contrafeitos a candidatura de Donald Trump. Foi uma avant premiére sobre a decadência do perigoso Império que jamais ostentou este nome e para entender o melhor é ler Negri ou Lichtheim.
À frente da TV recordei o canastrão Collor copiando os passos de Jânio Quadros, mas sob o “script” da Plim-Plim, como “caçador de marajás”, que teve até mesmo um Globo Repórter Especial para o prefeito nomeado de Maceió poder eleger-se governador. A leitura de permite reconhecer o coxo (rengo) sentado e o cego dormido.
Lembrei na época em que estávamos ultimando a constituição, quando o tresloucado desempregado Raimundo Nonato Alves da Conceição seqüestrou o avião da VASP no vôo 375 de 28 de setembro de 1988 e queria jogá-lo contra o Palácio do Planalto. Assassinou o co-piloto e baleou o engenheiro de vôo. Ele foi abatido por três tiros, mas morreu no hospital por “anemia falciforme”, uma anomalia genética sem nenhuma relação com os tiros dos “snypers”, conforme consta na Wikipédia, o laudo foi assinado pelo famoso legista Badan Palhares, que também atuou no assassinato e suicídio do PC Farias e namorada, contraditado por peritos de renome. Sim, é da nossa índole o riso fácil, irresponsável, a pândega, galhofa ou troça herança da corte para o comportamento do povo.
Voltemos a Trump, os analistas yankees disseram, que o pior não é a eleição de Trump, mas o “trumpismo” como herança política na periferia do mundo. É isso que o Erdogan está fazendo? As corporações estimulam. Os analistas políticos yankees sabem que tudo lá já foi programado com antecedência de 50 anos no mínimo, bem diferente do que passa nas universidades periféricas caudatárias.
É razoável lembrar o “caçador de marajá” já governador de Alagoas, quando o Brasil conheceu uma tentativa de “11 de Setembro”, 23 anos antes e teria conhecido seu “Trump” também 27 anos antes, não fosse a intervenção do ex-presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha ter descoberto um erro na filiação do apresentador Silvio Santos ao PMB que fez a justiça eleitoral impedir sua postulação (foto). Em três dias de propaganda partidária ele superava o Collor e seria o Berlusconi caboclo, mas foi indeferido.
Antes de a convenção republicana começar os golpes e atentados já somavam quase mil mortos e o dobro de severamente feridos em menos de dez dias. Durante ela o tiro policial ao afro americano foi respondido por veteranos com o tiro ao policial. Não sai nos jornais o altíssimo índice de suicídios de veteranos do Iraque, Afeganistão, mas garanto que preocupa a ação dos dois veteranos. Será que eles aprenderam algo na cultura do Oriente Médio que despertou neles a reação? Qual o risco disto se alastrar como em 1968... A impressa não pode publicar o que está fora da pauta ou do script. Eis a liberdade.
A convenção terminou com mais duas situações esdrúxulas antes do sangrento atentado em Kabul; Os tresloucados 9 assassinatos em Munique; E no Brasil houve dez prisões de terroristas”... Desinformado eu pensei que era a galhofa típica contra a corte e já começava a listar: Zika, Chikungunya, Caxumba, Dengue, Delação premiada, Preço do Feijão, Preço do Leite, Fila no Aeroporto, Gabinete do Senador, Água de Porto Alegre. Mas a coletiva de imprensa do Ministro da Justiça me intranqüilizou.
Foi o taxista quem me trouxe a tranqüilidade de volta com seu forte acento carioca: “O Dr. lembra a Greve na Siderúrgica Nacional, houve 3 mortos. Mas foram eleitos mais de vinte prefeitos nas eleições municipais e pelo menos 3 governadores no ano seguinte...” Eu não entendi e ele continuou: Esses presos da “Hashtag”, já começam a carreira política e quiçá algum possa chegar ao píncaro e soltou uma risadinhas sarcástica similar à do pica-pau rei da Mata Atlântica.
Ainda atônito ao pagar a corrida atrevi a perguntar-lhe: O Sr. lê muito, não é? - Sim, foi a única coisa que herdei de minha mãe, que me obrigava a ler todo o dia e escrever 30 linhas sobre temas que ela criava.

Voltei para casa e entendi a convenção republicana: O que aconteceu na Bósnia e Kosovo não foi só um problema racial, nem intolerância religiosa. Tanto o Império quanto as corporações não permitem existir uma fé (igreja) descentralizada; Nem meios de comunicação ou escolas fora do script, por isso tanta língua de aluguel diz bobagem sobre escola e ideologia sem ler os 14 livros de Paulo Freire, um advogado desiludido que se tornou o maior educador do Século. Se Trump ganha ou não é de menos, mas Ted Cruz seguramente será o César seguinte ao próximo. O resto é outro carnaval, como dizia o vô Nono.

Casa da Agricultura de São Pedro promove visita à UD do Projeto ILPF

Reproduzo a matéria da CATI - São Pedro, em que acompanhamos.
Produtores de São Pedro e técnicos da região de Piracicaba puderam tirar dúvidas e verificar acertos e erros durante a implantação do Sistema ILPF em Brotas.
A Casa da Agricultura de São Pedro, município da área de atuação da CATI Regional Piracicaba, promoveu, no dia 14 de junho, uma visita técnica monitorada com o intuito de divulgar o Projeto para os produtores rurais de São Pedro. O Sítio Nelson Guerreiro, propriedade dos engenheiros agrônomos Luis e Maria Fernanda Guerreiro, fica localizado em Brotas e trata-se de uma Unidade Demonstrativa do Sistema Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), monitorada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/São Carlos).
O Sítio Nelson Guerreiro tem como ponto principal a diversificação das atividades. A visita foi acompanhada pelos proprietários Luis e Maria Fernanda Guerreiro, os quais descreveram o histórico da propriedade frente a produção sustentável.
A propriedade apresenta 44,7 hectares no Sistema ILPF, com 12 variedades de eucalipto, em linhas simples, duplas e triplas, que servem para o sombreamento das áreas de pastagens. “O eucalipto tem a finalidade de madeira, contudo com as sobras do desbaste há uma agregação do valor. A propriedade conta, ainda, com uma pequena agroindústria a qual padroniza a madeira e as comecializa como produto destinado à queima em fornos, lareiras e churrasqueiras, tudo com a marca e as autorizações legais”, contaram os proprietários.
Existem diversas variedades de pastagens nas áreas no ILPF, bem como a produção de milho não transgênico para a produção de grãos de milho para a alimentação animal orgânica, bem como a produção de fubá gourmet em moinho de pedra para distribuição em diversos centros de gastronomia. A propriedade também se destaca na produção de laranja; possui 32,6 hectares de laranja de mesa tipo “charmute de Brotas”, a qual também tem destino voltado aos centros gastronômicos, sendo ensacadas em lotes de cinco, 10 e 25 quilos.
“Esse dia de visita monitorada à Unidade Demonstrativa da Embrapa foi organizado com o objetivo de proporcionar aos produtores rurais de São Pedro, a obtenção de informações corretas sobre um projeto de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta que já está consolidado há algum tempo e vem dando resultados visíveis aos produtores. Outro fator importante é com relação à vivência dos proprietários nos assuntos abordados; eles destacaram os acertos e os erros durante a construção do conhecimento sobre o ILPF”, declarou o engenheiro agrônomo Leandro Biral, responsável pela Casa da Agricultura de São Pedro.

Sítio Nelson Guerreiro, em Brotas, é uma UD
 monitorada pela Embrapa São Carlos.
“Essa visita foi realmente interessante, pois pudemos verificar na prática um Sistema ILPF que vem evoluindo com o tempo. Pretendo fazer o cercamento do meu pasto usando algumas espécies de eucalipto que foram destacadas durante a visita” declarou Luiz Blanco, proprietário do Sítio Solar, produtor rural que participou da visita.
Além dos produtores rurais de São Pedro, a visita contou com a presença de técnicos da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Torrinha, além dos responsáveis pela Casas da Agricultura de Santa Bárbara d'Oeste e de Rafard, também da área de atuação da CATI Regional Piracicaba, bem como do gestor da Área de Proteção Ambiental (APA – Corumbataí), Luís Sertório Teixeira, que também acompanhou o grupo na visita. Segundo Leandro Biral, o objetivo é divulgar as possibilidades do Projeto Integra SP e Radge (Recuperação de Áreas Degradadas por Grandes Erosões), executado pelo governo paulista e que prega, entre outras técnicas, o Sistema ILPF. 

Fonte: CATI

Confira mais fotos _AQUI_

UD = Unidade Demostrativa 

quarta-feira, 20 de julho de 2016

De olho nos Ruralistas

Campanha na reta final... termina hoje! Confira AQUI a proposta. Se possível, vamos contribuir..
@deolhonosruralistas
CAMPANHA ACABA AMANHÃ. PRECISAMOS DE SUA AJUDA!

| De Olho no Ruralistas precisa de mais 300 doações para efetivar um observatório jornalístico do agronegócio no Brasil, com site, oficinas, newsletters e programa de webTV |


Chegamos à reta final. E precisamos de sua ajuda. Seja doando, seja divulgando. Como puderem.

Mas as doações são muito importantes. Cruciais. Por isso sugerimos que todos - tendo ou não disponibilidade para contribuir diretamente - marquem neste post os amigos que talvez possam ajudar.

O De Olho nos Ruralistas é feito por jornalistas independentes, em parceria com TV Drone e Outras Palavras. E a mídia livre precisa cada vez mais da contribuição direta dos leitores.

O projeto se divide em quatro grandes temas: De Olho na Comida, De Olho no Ambiente, De Olho nos Conflitos e De Olho no Agronegócio.

Trata-se da fiscalização de um setor importante no Brasil, o do agronegócio. Sempre com a perspectiva de defesa dos diretos humanos, sociais e ambientais.

Esse trabalho leva tempo. E precisa de profissionais qualificados. Para mantê-los, contamos com você. Clique neste link e conheça as contrapartidas para as doações: http://bit.ly/DeOlhoNosRuralistas



sexta-feira, 15 de julho de 2016

Jairo Restrepo no Brasil


Mais informações:

C A I S P 

Pós de estrelas

por Sebastião Pinheiro

O novo símbolo da Juquira Candiru Satyagraha é o ícone dos Hopis ou Puelos o “Kokopilli”, símbolo de fertilidade, que através da música supera as dificuldades e faz germinar suas sementes. O juntamos ao “Kultrun” para maior harmonia no pulsar do coração do solo saudável que nos cura através de sua vibração e Luz.
Cidadãos em sociedades soberanas não necessitam de adjetivos junto aos nomes para esclarecer valores, pois entendem a significação e significado semântico nas coisas, senso comum ou consciência coletiva. Sociedades dominadas ou alienadas adoram adjetivos embelezando substantivos.
Há aproximadamente 30 anos começamos a escutar os termos: “sustentabilidade”, “segurança alimentar”, “sementes crioulas” repetidos de forma impertinente nos movimentos sociais, mídia, órgãos de governo, e, principalmente nos documentos dos organismos multilaterais. Sempre que uma ordem está para ser implantada os neologismos surgem para educar e aculturar consumidores e gestores políticos heteronômicos.
A repetição à exaustão por pessoas humildes leva ao messianismo, o que é bem explorado pelo poder e mercado.
O termo “segurança alimentar” substituído pelo de “soberania alimentar” por radicalismo político subalterno, sequer notado entre os locais e apropriado pela indústria de alimentos que foi beneficiada com a troca.

No mundo a maior indústria é a de alimentos e seu postulado é libertar-se totalmente da natureza pelo poder infinito, o que significa crescimento exponencial.

Sugestivo, um irônico yankee diz: - É por isso a segunda indústria é a de medicamentos.
Diversos artigos em revistas científicas começam a propalar o novo vocábulo: “segundo cérebro”, neologismo para os intestinos, pois o seu funcionamento garante a qualidade do “primeiro”, o mais vital do corpo. A ciência comprova que o funcionamento dos intestinos influi sobremaneira nos sistemas imunológico, endócrino e nevrálgico através do cérebro [The enteric nervous system consists of some 500 million neurons,[6] (including the various types of Dogiel cells),[1][7] one two-hundredth of the number of neurons in the brain, and 5 times as many as the one hundred million neurons in the spinal cord.[8] The enteric nervous system is embedded in the lining of the gastrointestinal system, beginning in the esophagus and extending down to the anus.] wikipedia
Há uma epidemia mundial de “Disbiose Intestinal” ou Síndrome do Intestino Irritável com mais de um milhão de pacientes e que já matou somente nos EUA 50 mil pessoas, pois a indústria de alimentos é hegemônica às refeições. Os principais agentes da disbiose são o Clostridium difficile e as Salmonelas. Estes dois patogênicos oportunistas são facilmente controlados por saprófitos através de sideróforos, mecanismo que somente os saprófitos dispõem para solubilizar os sais de ferro no ambiente tornando o metal indisponível para os patogênicos.
Quanto mais diversa e abundante a Microbiota Fecal (nos intestinos) mais facilmente são controlados os referidos patogênicos.
Embasados nos estudos da velha medicina chinesa os cientistas e médicos norte-americanos optaram por uma solução menos radical, ideológica e mais rentável a “sopa dourada”. Uma sopa de excrementos recém expelidos e naturais administrada ao paciente. Este tratamento escatológico recebeu o pomposo nome de Transplante de Microbiota Fecal. Seu desenvolvimento como biotecnologia de ponta trouxe a projeção de um mercado superior ao trilhão de dólares. Pelo que no Massachusetts Institute of Technology (M.I.T) foi criado o OPENBIOME BANK para a compra de excrementos humanos já representa um segmento de bilhões de dólares. Hoje o pagamento é de 40 dólares por dose de fezes além de um bônus de 10 dólares para a doação continua por cinco dias seguidos. O transplantado paga pelo menos duzentas vezes este valor.
O interessante é que médicos e cientistas nos Estados Unidos e México garantem que a epidemia é exarcebada a partir dos resíduos de herbicida Glyphosate® nos alimentos transgênicos e água permitido legalmente.
Ocorre que o principio ativo do Roundup® foi registrado como fungicida e bactericida em 2014 pela Monsanto precavendo-se de responsabilidades perante as autoridades sanitárias e povo norte-americano, pois ele é termoestável até 370ºC e mesmo dimerizado, volta a se formar na acidez do estomago mantendo seu poder fungicida e bactericida.
Ocorre que tanto o Clostridium difficile e algumas Salmonelas são resistentes a este herbicida pelo que, seus resíduos destroem a diversidade dos saprófitos na microbiota fecal e permite a instalação dos mesmos nos intestinos provocando a epidemia que já matou mais de 50 mil pessoas e estranhamente é tratada como infecção hospitalar.
Em microbiologia molecular há o neologismo Metagenômica, (do grego: além da genômica). No intestino há uma diversidade de 4 a 6 x 10 elevado à potencia 30, ou seja: De 4 a 6.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 indivíduos, dos quais as técnicas tradicionais de cultivo em laboratório e identificação alcançam na atualidade somente 0,1%. Contudo, a biologia molecular permite extrair seu DNA/RNA, mas não identificá-los em separado.
Trabalhar com esse universo desconhecido exige mudanças radicais. Desde Pasteur, na saúde e Liebig, na indústria de alimentos e agricultura, o dogma é esterilização total e absoluta como base da higiene. Na Metagenômica há um universo desconhecido que necessita ser identificado e conhecido para entender como faz funcionar melhor o primeiro cérebro descortinando um mundo biológico, econômico, financeiro gigantesco que fará tudo existente até agora ser comparado à descoberta da luz e do fogo. Este segmento científico, tecnológico, sanitário, industrial vale muitos bilhões de dólares.
Para as indústrias de Alimentos e Medicamentos o Openbiome Bank é acelerador de seu axioma de liberdade da natureza, que enquanto não chega fará o que tem muito dinheiro comer orgânicos (vitalizados) certificados. Quem tiver pouco dinheiro tomará a sopa dourada, idem, certificada, quem não tiver sofrera as conseqüências da eugenia biológica, parte do seu dogma capitalista.
Se, a indústria de alimentos chama a endosimbiose em nosso intestino de “segundo cérebro” por razões mercadológicas, mais propriedade há em afirmar que a Microbiota do Solo que alimenta aquela diversidade através da simbiogênese, de Kozo-Poliansky é muito mais o "segundo coração da humanidade", e seu vínculo ético-moral com o camponês que professa a saúde no solo (Biopoder camponês).
Quando o camponês recebeu a fórmula do biofertilizante sabia que os micróbios eram a nova ferramenta tecnológica, sem se preocupar com sua ação ou identidade, necessidade implícita da indústria de alimentos e sistema financeiro. Quando por resistência Julius Hensel começou a usar pós de rochas não era necessário defini-lo como um "transplante de células-tronco da rocha-mãe" para a restauração do sistema imunológico do solo vítima da agricultura moderna que provoca a epidemia de disbiose em humanos que agora procura à sustentabilidade e soberania alimentar para os ricos, através da segurança mercantil dos seus neologismos.

Em agroecologia, sem a industria de alimentos, o Biopoder camponês “elimina as causas” protege o “segundo cérebro” e elimina as desigualdades, através da saúde no solo, mas somente as "Pedagogia da Autonomia" e Pedagogia da Indignação (Paulo Freire) nos fazem entender que somos pós de estrelas ou “espíritos em jornada humana”, como alertou Theilard du Chardin.

domingo, 10 de julho de 2016

Ditaduras epidêmicas




por Sebastião Pinheiro (Juquira Candiru)

No final da ditadura os meios de comunicação, através de seus jornalistas corruptos acusavam aqueles que externavam a preocupação com a poluição e devastação ambiental de serem “ambientalistas de plantão”. Depois houve uma época onde a natureza foi pasteurizada e ganhou o glamour de Hollywood para o consumismo e perda da pouca consciência e identidade. O tempo passou e hoje já é raro alguém defender a natureza independente de sua militância político partidária ou venda de serviços. Em parte houve avanço, e também retrocesso, pois as transnacionais de serviços ambientais espalhafatosos e as Go-NGO (Governamentais ONGs) e não estamos nos referindo a coisas recentes, pois a primeira, a WWF foi criada em 11 de Setembro. Calma gente, quarenta anos antes dos aviões chocarem com as Torres Gêmeas. O diabólico é que o príncipe Phillip entregou a GoNGO para seu compadre Príncipe Bernhard de Lippe von Biesterfeld consorte da Rainha Juliana dos Países Baixos para presidir (foto). Em 1963 a WWF fez, através de Godfrey Rockefeller o primeiro relatório sobre Mudança Climática. Qual sua finalidade quando na África havia dois países independentes (Egito e Etiópia)? O que a WWF acumulou desde então sobre o tema e quais as projeções que pode fazer sobre mudança climática em inversões, lucros, serviços por traz da COP 21 em Paris.

Em janeiro de 1979 houve a Revolução Iraniana dos Mulás e Aiatolás. O exemplo do ocorrido no inicio dos anos 50, quando da nacionalização da Anglo-Iranian Oil por Mossadegh que logo foi derrubado. Os donos do petróleo (EUA e UK) organizaram a guerra de Saddam Hussein contra a nova República Islâmica no início dos anos 80. O governo iraniano erigiu um monumento de agradecimento (Denkmal) ao governo alemão em frente à sua embaixada em Teerã (foto) por ele ter vendido duas fábricas de agrotóxicos para serem usadas (WoMD) em fabricação de armas químicas com as que ele atacou o território vizinho, matando 7 mil mulheres e crianças e intoxicando o triplo desses em março de 1988 em Halabja no Curdistão Iraquiano. A guerra cessou cinco meses depois por pressão internacional e resolução da ONU.
Menos de dois anos depois a manipulação e indução do Kuait em aumentar a produção e baixar os preços levou o sanguinário ditador do Iraque a invadir o vizinho e começou a Guerra do Golfo durante seis meses e com um número de mortos e mutilados superior a 200 mil.
Depois de pagar todos os danos e reparações, a vingança de Saddam Hussein foi deixar de operar com dólar norte-americano e usar somente Euros nos seus contratos petrolíferos (Several persons have asked the American Monetary Institute to comment on the viewpoint that the “real” reason for the war against Iraq was Sadam Hussein’s decision to price Iraqi oil in the new EURO currency of the European Union rather than in U.S. Dollars.), o que o fez conhecer, também, a ira da Grã Bretanha e Estados Unidos com a invasão e destruição do Iraque sob o falso pretexto de armazenamento de armas químicas (WMD), que já não existiam mais em 2003. Não satisfeitos EUA e UK resolveram expandir a invasão e ocupação ao Afeganistão.
Houve quem festejasse a “Primavera árabe”, como o fim da destruição de ambos os povos e alvorada de liberdade. Ledo engano logo vem a instalação da ditadura militar no Egito; a Líbia é fragmentada em tribos e a Síria segue a mesma senda. É a agonia de uma população superior a 65 milhões de refugiados, muitos desesperados buscando a segurança e futuro dourado na União Européia, que procura elevar seu humanismo e ética aceitando a todos de todas as raças e credos ao mesmo tempo em que impõe normas e condutas às finanças comunitárias, obrigando à transparências nas inversões. Sim, a escolha de saída (democrática) da Grã Bretanha tem algo mais que aversão à imposição de refugiados ou ao crescimento da xenofobia. O tempo demonstrará muito rapidamente se houver a vitória de Trump. Essa queda de braço visa frear a expansão na União Européia da ideologia franco-alemã, mas traz o risco de corrida armamentista e conflito em escala global diante das decadências nos países centrais, principalmente ética e moral, onde a saída econômica é a agricultura na África coordenada por Corporações da Indústria de Alimentos (agronegócios) com poder supra-estados nacionais.
Ontem Tony Blair veio a público pedir desculpas por haver mentido ao Mundo e assumiu seu crime (full responsability) de causar guerra. É da práxis “ex officio” de coadjuvante, será por isso que não tem o título de Sir, mas o que mais estranha é ele ter deixado a religião oficial e adotado o catolicismo em 2007... (foto)


O ator principal Walker Bush Jr e o CFR permanecem intocáveis. Ambos causaram mais mortes que todos os terroristas do mundo, quase se igualando aos mais cruéis tiranos da história, somente ultrapassados pelos meios de comunicação que prestam serviços a aqueles.
Eu estava boquiaberto com os atentados terroristas na última semana alcançarem mais de 800 infelizes em Istambul, Dakka, Bagdá, Medina, contudo o relatório britânico sobre a Guerra do Iraque (Sir Chilcot Inquiry, agora Iraq Inquiry) me deixou em Estado de Choque pela desfaçatez: 800 mil mortos e 800 bilhões de dólares gastos e o produto é aumento do ódio, insegurança e 65 milhões de refugiados. Entre nós nem uma linha sobre as campanhas como a que recolhe dinheiro para a Actionaid com Luana a menina nordestina famélica; A chorosa do “Médicos Sem Fronteiras” na África que arrecada na periferia do Mundo ou a versátil "Criança Esperança" na ausência de Estado da Rede Globo.
O império ajusta suas necessidades, na África instala-se acelerado a “Alliance for the Green Revolution” com Kofi Anan, Bil Gates e todos os poderosos. Enquanto na América Latina os presidentes eleitos mais identificados com “nosotros los pobres”, com exceção do Uruguai, são escorraçados e estão prestes a cumprir pena, seus substitutos transpiram ser meros mamulengos, cumprindo as mesmas funções da aristocrática marionette Tony Blair, onde o poder não é um fluxo unidirecional de energia indivisível, apenas é o dinheiro. O que pode ser entendido nas palavras de Cristine Lagarde Diretora do FMI: "IMF Requests That Pensions be Lowered Because of “The Risk That People Will Live Longer Than Expected”. E todas as marionetes (políticos, mídia, igrejas e outros) propalam e cumprem à ferro, fogo, convulsão social e morte).
Ela é tão pérfida quanto o Blair, pois induz o presidente da Confederação Nacional da Indústria (BR) por o “bode na sala” com suas “80 horas semanais”, para que às 60 horas laborais sejam mais bem aceitas através da mídia e propaganda.
Observe a contradição: O Openbiome Bank criado no Massassuchetts Institute of Technology para a compra de excrementos humanos já representa um segmento de bilhões de dólares. Hoje o pagamento é de 40 dólares por dose de fezes além de um bônus de 10 dólares para a doação continua por cinco dias. Sem levarmos em conta o significado e valores da mudança de modelo na substituição da esterilização como eliminação da infecção pela luta saprófitos versus patogênicos através da biotecnologia em tecnologias, serviços, infra-estrutura e ciência, principalmente ciência pura, aplicada e tecnológica.
Isto ocorre pela epidemia de Dysbiosis provocada por Clostridium difficile e Salmonelas spp., que já atinge um milhão de pessoas nos EUA e mundo, incluindo Brasil, e o transplante de matéria fecal (Microbiota Fecal Transplantation) é o principal tratamento via bucal ou enemas. Já se ensina a importância de comer fezes aos escolares nos EUA. Sua ciência há três anos fala que os intestinos são nosso segundo cérebro dada sua importância para o funcionamento do primeiro e coordenação endócrina, nevrálgica e hormonal. Quem tem muito dinheiro come orgânicos certificados. Quem não tem pouco come merda certificada, quem não tem come a do SUS.

Os valores financeiros nos fazem entender, mas não aceitar tal situação já que na agricultura com uma alimentação oriunda de solo sadio e com microbiota diversa os alimentos aumentam a diversidade na microbiota intestinal impedindo através dos saprófitos a instalação e proliferação de patogênicos. A ingestão continuada do bactericida e fungicida Glyphosate usado nos cultivos transgênicos e que permanece nos alimentos industrializados por ser termoestável até 370º C favorece a infecção, pois tanto o Clostridium como as Salmonelas são resistentes ao mesmo, logo a tendência da epidemia é exponencial.
_ *_

Adquira o novo livro do Professor Sebastião Pinheiro! Entre em contato, no e-mail: emporioagricola@gmail.com - falar com Oliver Blanco. (18) 9.9693-6466


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...