"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

sexta-feira, 7 de março de 2014

"rogai por nós"

Ora-pro-nobis, foto: O. Blanco
Sr. Tião P.

Pretensioso eu creia saber muito sobre química de venenos, mas por mais que estudasse e praticasse estou percebendo severas limitações. É óbvio que elas são bem diferentes daquelas dos operadores do “Agronegócios”. O fungicida Prothioconazole foi lançado por sua empresa que possui mais de vinte e cinco mil cientistas de primeira linha, inclusive na área de biologia molecular, mas a fitotoxicidade do produto comprometeu as lavouras onde foi aplicado, o que é imperdoável incompetência.

Antecipando-se à corrida ao Código de Defesa do Consumidor, entidades vieram a público, imediatamente, prestar serviços, ao meu juízo mais para resguardar imagem e interesses da empresa. Bem diferente do similar ocorrido nos EUA, no desastre em 1998, no Delta do Rio Mississipi com as sementes transgênicas de algodão Roundup Ready da Monsanto que não produziram pluma. Lá a justiça foi rápida e exemplar. As indenizações foram totais e milionárias, constando não validade dos futuros contratos para aquelas áreas. Aqui a violência estrutural não estimula defender direitos e “atravessadores” prestam serviços a ambas as partes. É o fim do Estado Nacional. Insólito!

O Prothioconazole foi anunciado pela Joint Meeting on Pesticides Specifications da FAO & JMPR do Codex Alimentarius da OMS - ONU que em 2008 fez suas “monografias”. Não encontrei uma linha sobre fitotoxicidade e raras referências à soja no documento de 181 páginas, o que é muito estranho. O diagrama mostra algumas rotas de metabolização em algumas plantas.

Ingênuo pensava que o que ocorria com os “Defensivos Agrícolas” era pelo regime de exceção & corrupção como consta no livro “A Máfia dos Agrotóxicos no Brasil”, mas estava, apenas, meio enganado. A instalação da Ferrugem Asiática criou o maior mercado de fungicidas da atualidade; Produto que ao ser usado, também nos cereais, passa a ser o carro chefe da empresa. Foram feitas as exaustivas experimentações e testes nacionais necessários? Há perspectivas de “venda de serviços” & “participações lucrativas” para alguns, mas perdemos todos no Estado Nacional... Onde fica a sustentabilidade nos países periféricos? Nos centrais há vinte anos isso já foi desdobrado em políticas públicas de governo denominada de: “SAÚDE DO SOLO”, onde são estimulados o aumento da população e diversidade de micróbios e há até o instrumento tecnológico do BIOCHAR para armazenar Carbono no Solo e evitar o Efeito Estufa.

Aqui a “agricultura moderna” de “mecanização intensiva”, “Agrotóxicos livres e imprescindíveis” e “conservação de solo & água” continuam como ordem suprema das grandes corporações financeiras e governo caudatário. Aguarda-se a imposição de novas políticas públicas de interesse privado de insumos e serviços das grandes corporações financeiras e industriais no Estado Híbrido do Século XXI que comemora a incorporação financeira da Agricultura Familiar, via FAO.

Caricato & periférico eu acreditava que nenhuma janela havia destruída nas instalações da Bayer, BASF e Hoechst durante a Segunda Guerra Mundial pela importância da produção imediata da “arma química” (Soman, VX etc.) para evitar a invasão do Ocidente pelos tanques soviéticos na Guerra Fria. E ainda, que a instalação de um complexo de fabricação de fosforados na década de cinquenta em Belfort Roxo, no Rio de Janeiro permitiria alcançar a “The poor man’s Atomic Bomb”, mas estudando o Roundup Ready (que possuía patentes já em 1938) encontrei outra razão. A síntese do “TBP” (Terti-butil Fosfato) que os nazistas usavam misturado com querosene para a purificação rápida e econômica do combustível nuclear para sua “bomba atômica” e que depois, na “corrida armamentista” proliferou em ambos os lados. Em Hanford, Benton, Washington se gasta treze bilhões de dólares em remediação ambiental.

Agora sei, é por isso que os inseticidas clorados vão ser substituídos pelos fosforados na agricultura do mundo (causando 87% das mortes de camponeses e trabalhadores) e nada de razões sanitárias, ambientais ou degenerescência celular...


Antecipar o conceito de “Saúde do Solo” evitando sua transformação em insumo, revitalizando a cromatografia de Pfeiffer como instrumento conceitual para construção de “saúde do solo” junto aos camponeses foi uma estratégia, mas descobrimos que, em todos os cromatogramas de Pfeiffer dos solos com soja Roundup Ready há mumificação da “matéria orgânica”, foto.

Como o Professor James E. Rahe da Simon Fraser University B.C.-Canadá, desde os anos 80 vem reiteradamente denunciando que, o uso de Glyphosate provoca o aumento dos fungos parasitas no solo e destrói os sistemas imunológicos (fitoalexinas) das plantas propagando epifítias (epidemias vegetais). No Brasil desde 2005 há a denúncia T. Yamada que demonstra esses dados em café, eucalipto, laranja, uva e cereais, e deve ser agregado soja.

Mudaram o nome da agricultura moderna para Agronegócios, mas não me ocupo do conceito jurídico de “quadrilha”, nem da violência estrutural do poder no Estado Híbrido do Século XXI, embora na segunda metade do século passado o termo tenha sido “Máfia”. Oremos: “Ora pro nobis peccatoribus, nunc et in hora mortis nostrae. Amen.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...