"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Ninhos epígeos de cupins em pastagens

          A palavra epígeos, no que se refere aos ninhos de cupins em ambientes de pastagens, quer dizer, sobre a terra. São montículos de argila + silte (solo) construídas pelas térmitas subterrâneas, ou seja, a fauna de cupins do solo.

          Muitos pecuaristas associam a grande concentração destes ninhos (foto ao lado) ao Ph ácido do solo. Estes cupins pertencentes aos gêneros Cornitermes e Procornotermes têm frequentemente sido associadas a situações de desequilíbrio ambiental e manejo inadequado do solo e da pastagem (FONTES, 1988; CONSTANTINO, 2005).

          O manejo inadequado de um ambiente pastoril durante anos - 3, 7, podendo chegar até 15 anos - faz com que, evolua neste ambiente, durante todo este período, bioindicativos da qualidade ambiental. A presença do cupim, como na foto, é o primeiro indicativo de um novo processo biocenótico, ou seja, o pasto está em um nível alto de degradação e a  grande quantidade de epígeos é o início de um longo processo de recuperação.
 

           O resultado desta presença povoadora e colonizadora dos cupins é o incremento de matéria orgânica humificada, com a degradação inicial dos materiais lignificados (indicativo  este, do manejo extensivo do pasto).


          A associação da ocorrência de cupinzeiros a solos ácidos ou de baixa fertilidade, o conhecimento empírico evidenciado apresenta fundamentação científica e nesses casos, o papel entomoindicador dos cupins pode ser aperfeiçoado para o monitoramento da qualidade ambiental dos ecossistemas antropizados pela pecuária (MARQUES, 2008). Neste caso, ao amostrar o solo desta área é evidente a presença do Ph ácido.

          Citando a conclusão científica do trabalho de MARQUES, 2008, dada à necessidade de uma postura diferenciada em função da crise paradigmática que norteia as questões ambientais, faz-se necessário uma melhor compreensão por parte dos pecuaristas dos processos ecológicos presentes no seu ambiente produtivo. Essa compreensão baseada numa visão holística bem como em um enfoque sistêmico, é fundamental para o entendimento das fragilidades do ecossistema, e consequentemente, para a utilização dos recursos naturais sob a perspectiva da racionalidade ambiental, de forma a garantir a sustentabilidade da atividade pecuária.


          Entrementes, concluo: o uso do PRV - pastejo rotacionado voisin - é a primeira atitude que um pecuarista deveria ter para evoluir tanto econômicamente como ambientalmente, em todos os níveis no manejo de animal a pasto.
 
Oliver Blanco Eng. Agrônomo

 

2 comentários:

♥Elisete♥ disse...

Olá , quero saber qual isca usar nos ninhos de cupins de solo sem prejudicar o meu cão que anda por todo quintal ? Onde encontro essa isca ? Obrigada !

Anônimo disse...

Olá, parabéns pelo artigo!
Conteúdo muito bom e de fácil entendimento!
Grande abraço!
Ps. Se precisar, conte conosco para dicas e informações sobre tipos de
grama nos links abaixo.
Grama Esmeralda
Grama Batatais
Grama São Carlos
Grama Bermudas
Grama Santo Agostinho
Grama Coreana

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...