"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Retrospectiva José Lutzenberger II


Série de textos importantes deste empreendedor ecológico que precisa ser lida pelas gerações a frente. Um crítico construtivo ao modo degradante do desenvolvimento crescente do império. José Lutzenberger enxergava longe; sem dúvida, um gênio que defendeu o Brasil.

Soja Transgênica: Problema Político, Não Técnico

A genética moderna, ou seja, a biologia molecular, constitui-se em uma das grandes aventuras do espírito humano neste século, tais como a relatividade especial e a geral, a física nuclear e de partículas elementares, a deriva dos continentes. Infelizmente, neste campo, está ocorrendo uma grave perversão.

O jovem Einstein, quando elaborava as suas geniais teorias, ganhava a vida como funcionário do departamento de patentes da Suíça, em Zurique. Jamais, no entanto, lhe teria ocorrido patentear suas idéias. O próprio James Watts e seu companheiro Francis Crick, que desvendaram a estrutura molecular do código genético, não tiveram a presunção de requerer patente para sua descoberta. Regozijaram-se, isto sim, com o Prêmio Nobel.

Aliás, patentes só se aplicam e se justificam para invenções, não a descobertas. Os gens dos seres vivos e todos os meios dos quais eles se servem, foram estruturados pela Natureza neste fantástico processo sinfônico que é a evolução orgânica, que nos deu origem, junto com todos os demais seres, e que remonta a mais de três bilhões de anos. Que monumental presunção querer patentear gens, seres vivos, partes de seres vivos e processos vitais! Entre outras coisas, estão querendo patentear todos os gens do genótipo humano que são algo como 100.000. Já o fizeram com alguns milhares e estão trabalhando febrilmente para terminar logo em 2001 ou 2003.

É com estes métodos que as mesmas transnacionais que, durante décadas, condicionaram a agricultura ao uso exagerado e mesmo indiscriminado dos agrotóxicos, preparam-se para arrebatar do produtor agrícola um dos últimos fatores do que lhe sobra de autonomia - a semente. A soja transgênica, patenteada, que agora está sendo introduzida no Estado, é resistente ao herbicida da própria casa, obriga o agricultor à "compra casada" - semente mais herbicida, mesmo que não haja necessidade para tal. Já estão, também, preparando cultivares com o gen "terminator", um gen que faz com que a semente colhida pelo agricultor se "suicide" ao ser semeada, tornando desnecessária a patente, pior que no caso do milho híbrido que, ao ser ressemeado, não mantém suas qualidades.

Não é por nada que as grandes transnacionais dos agrotóxicos nos últimos anos compraram já a quase totalidade das empresas independentes de sementes. Com isso se preparam para um monopólio global.

Que tem a ver isso com resolver o problema da fome? Tem a ver com criação de estruturas de poder, de dependência! Se, na Índia, centenas de milhares de agricultores estão demonstrando contra a introdução dos transgênicos - pessoalmente, em Bangalore 1996, assisti a uma demonstração de meio milhão - é porque sabem que este tipo de tecnologia se dirige contra eles, só favorece o agribusiness - o complexo agro-industrial; nem tanto o grande agricultor. A chamada Revolução Verde já marginalizou centenas de milhões de camponeses no mundo, um custo social que não é contabilizado quando se fala das "vantagens" da agricultura moderna.


O que a grande tecnocracia pretende, e para isso usa os mecanismos de globalização, o FMI e OMC, é deixar sobreviver apenas as grandes monoculturas comerciais que dependem totalmente de seus insumos, cada vez mais caros, e que tem que entregar seus produtos a preços sempre mais manipulados. Quanto aos pequenos, só deixarão sobreviver aqueles que se atrelarem diretamente à indústria ("contract farming"), como no cultivo do fumo, da fruticultura e legumes para fábricas de conservas, os campos de concentração de aves e fábricas de ovos ou calabouços de porcos. O produtor fica com a ilusão de ser empresário autônomo mas não passa de operário sem carteira, que tem que envolver toda a família como mão-de-obra gratuita, sem horário de trabalho definido, sem domingo, feriado, férias, e sem previdência social. É de estranhar que o INSS não se ocupe desta burla.

Se permitirmos o primeiro passo desta conspiração que agora se inicia com a introdução forçada dos cultivares transgênicos, os passos subseqüentes serão automáticos - crédito bancário só para sementes "certificadas"; mais adiante, proibição de toda semente ainda livre. Na Alemanha já estão punindo agricultores que apenas trocaram sementes com o vizinho. Em comunicação interna de uma das transnacionais, ela conta como está processando milhares e punindo centenas de agricultores americanos que reproduziram suas sementes transgênicas sem sua permissão. Os castigos são a destruição total da lavoura, mais multas de dezenas de milhares de dólares - o agricultor acaba entregando a propriedade ao banco. Nestes documentos a expressão "seed saver" (economizador de semente) é usada em sentido profundamente pejorativo.

Que tristeza, termos que testemunhar como nosso governo se submete incondicionalmente aos interesses imediatistas do grande poder tecnocrático sem pátria. O Ministro da Saúde chegou a multiplicar por cem o limite permitido de resíduo de glifosato na soja para acomodar os interesses dos donos da soja "Roundup-ready"...!!!

José Lutzenberger
Fevereiro de 1999

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...