"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

sábado, 24 de maio de 2014

Fosfito

Prosa Técnica_12ª Saber e Fazer_
foto: Aderbal Silva

Araçatuba, 24 de maio de 2014



FOSFITOS
Preparados a base de cinzas e farinha de ossos calcinados para a bioproteção dos cultivos.


“Água de vidro”, silício e fósforo

“Sem a pretensão de tornar os agricultores do campo especialistas na química agrícola, mais vale apena comentar um pouco sobre a história dos Fosfitos e sua composição.

O Si é um elemento químico que jamais se encontra no estado livre na natureza; depois do oxigênio, é o elemento de maior relevância sobre a terra e sempre o encontramos unidos: SiO2. Por esse motivo não é de se estranhar que aproximadamente 30% de toda nossa capa terrestre está contida por esse elemento e, numa profundidade de mais ou menos de 16 km, cerca de 65% corresponde a principal combinação com oxigênio...”

A disponibilidade desse elemento para as plantas depende quase diretamente da ação dos ácido e enzimas, produtos gerados principalmente pela atividade dos microrganismos e da matéria orgânica sobre as partículas das rochas e argilas presentes na terra.

Diante das inúmeras funções do silício sobre as plantas, se destacam:

-   a capacidade de resistência mecânica que os cultivos adquirem com sua presença;
- sua “responsabilidade” pela formação das estruturas esqueléticas e flexibilidade dos vegetais;
- nos solos mais ácidos em combinação com a matéria orgânica, tem a capacidade de neutralizar a presença de alumínio de uma forma mais eficiente que a prática de calagem (gessagem);
- aumenta a função nutricional do fósforo nas plantas sendo mais eficaz nas aplicações das rochas fosfatadas;
- nas folhas, ao mesmo tempo que reduz a transpiração, aumenta a fotossínteses;

- resistência mecânica contra o ataque de Oídios, Rizotocnia, Helminthosporium, Rhynchosporium, Pythium, ácaros, trips, larvas e mosca branca;


Oídio
Rhizoctonia
Helmitosporiose do milho (Exserohilum turcicum)
Rhynchosporium
mycology Pythium
Pythium

- em condições climáticas e ambientais adversas proporciona resistência ao cultivos contra geadas, estres hídricos, secas, salinidade e calor;
- incrementa as funções metabólicas dos frutos e flores, e aumenta a fertilidade do pólen;
- ajuda a reduzir muitos elementos no solo para que as plantas retome, seu estreito vínculo com o Ca, Mg e K promovendo maior resistência nos frutos pós-colheita naquele estante;
- da maior resistência as raízes das plantas contra os patógenos do solo;
- ativa mecanismos de defesa na planta através da produção de enzimas e polifenóis;
- no solo evita a lixiviação nutricional dos elementos fósforo e potássio;
- na natureza, em combinação com outros elementos, forma silicatos de ferro, magnésio, cálcio, potássio e alumínio;
- forma parte da parede celular da plantas ao mesmo tempo respondendo pela formação dos tricomas glandulares nas mesmas, os quais são como uma espécie de ‘pelos de vidro’ que tem a função mecânica de defesa das plantas, principalmente contra o ataque de insetos. Por outro lado, os tricomas também secretam metabólicos como terpenos, flavonoides e fenóis, os quais são compostos fitoquímicos que atuam contra o ataque de fungos;


tricoma
- nas plantas aumenta a capacidade de armazenamento e distribuição de nutrientes;
- promove a transformação do fósforo não disponível para as plantas em forma assimilável e previne a transformação de fertilizantes ricos em fósforo em compostos insolúveis;
- nas raízes promove a colonização por microrganismos simbióticos.

No Japão, Alemanha e Suécia e outros países industrializados, fazem mais de dois séculos que os silicatos solúveis são comercializados pelo nome de “água de vidro” para o tratamento de enfermidades, desmineralização de pessoas e agricultura.

Na natureza existem uma grande variedade de compostos a base de silício, na forma de silicatos e alguns podem ser preparados artificialmente. Na forma de sais de vários ácidos silícicos.

A ‘água de vidro’ pelas funções imunológica e mecânica que possui, é excelente protetora para as plantas, principalmente contra o desenvolvimento de enfermidades fungicas e bacterianas.

Para o emprego nos cultivos podem ser preparadas em qualquer lugar, roça, propriedade rural, a partir de uma reação química entre a cinza de madeira em combustão com o hidróxido de potássio e pó de cimento.

2KOH + cinzas + K2CO3 – K2SiO3

As melhores cinzas podem ser obtidas a partir da queima total da casca de arroz, as quais são capazes de produzir diretamente “água de vidro” sem a necessidade da utilização do hidróxido de potássio e pó de cimento.

Para preparar a “água de vidro”, quando não existe a possibilidade de conseguir a casca de arroz, podemos mesclar 10 kg de cinzas de lenha, 2 kg de hidróxido de potássio e 2 kg de cimento, devendo queimá-los ao mesmo tempo numa fogueira ou forno durante o tempo de 2 ou 5 horas. Quando há a possibilidade de conseguir ossos frescos podem fazer a combustão com a mistura dos mesmos. Ao finalizar o processo da combustão das cinzas com os ossos podemos agregar água muito quente a uma porção de cinzas, assim obtemos “água e vidro” potássica para ser empregada diretamente por via foliar na proteção dos cultivos, na proporção de 2 até 4%.

Fósforo

 Com a grave crise que sofre a agricultura industrial, devido a sua dependência total da energia petroleira, agora a matriz tecnológica dos adubos químicos troca de nome: “Biotecnologia”. A voz da mediocridade técnica e de muitos políticos anuncia a nova oferta de produtos, serviços e as patentes nas mãos de multinacionais. Entre os produtos oferecidos estão fungos, bactérias e outros similares que requer o elemento nitrogênio, com a finalidade de mobilizar grandes quantidades do elemento fósforo, já definido durante várias décadas no solo, ao mesmo tempo provoca reações biotecnológicas para liberar o fósforo das rochas como o futuro “agroecológico”.

O fósforo é um elemento estratégico na nutrição de todos os seres vivos, ao mesmo tempo que se constitui na substância básica para desenvolver a capacidade de pensar e a vida. Por outro lado, o conteúdo do fósforo nos ossos determina o crescimento e o desenvolvimento normal das células da medula óssea e a solidez dos organismos vivos. A fixação do fósforo no solo e sua deficiência é um grave problema para os vegetais, impedindo o crescimento e o desenvolvimento normal do sistema imunológico.

Os depósitos de fosfatos e apatitas sempre tem sido as principais fontes de fósforo que a indústria o explora para oferecer a humanidade, sob a forma de marca registrada.

Na agricultura, a indústria da agroquímica patenteou o “invento” da solubilização e alta concentração desse elemento através das reações químicas para oferece-lo no mercado. Estrategicamente, as universidades do setor agropecuário foram tomadas por industrias para a oferta de suas fórmulas comerciais e prestação de serviços; sutilmente e com má intenção, a ideologia da alta solubilidade química dos insumos ocupou por completo o espaço cerebral dos laboratórios de solos das instituições. A imposição ideológica da solubilidade química cresceu com mentiras e enganos, e passou a encenar que a utilização das farinhas de rochas fosfatadas eram ineficientes. O biólogo John Burdon Sanderson Haldane, de origem inglesa e naturalizado na Índia, respondeu uma pergunta sobre os fertilizantes químicos: “Para que preocuparmos em preparar fórmulas solúveis, se um grupo (microrganismos) as prepara para nós”.

A sociedade industrial em nada, não considera os tempos de geoevoluções e os fenômenos que sucedem os mesmos, pois para a indústria o que importa é o descarte em menor tempo possível dentro de sua lógica tecnológica.

“É muito raro ver um técnico ou um ingênuo agrônomo que não entenda como a natureza é capaz de formar um milímetro de solo fértil a partir de uma fração de rocha, em que o insolúvel se torna solúvel; ainda é mais raro, que não entenda como uma série de minerais contidos em diferentes rochas, são capazes de transformar (animar-se) para serem o suporte da vida”.

Porém as minas ou depósitos de fósforo sempre tem estado espalhado por todo o mundo, sua utilização direta na forma de farinhas de rochas nunca se foi divulgado para sua massificação, pois não traz grandes divisas econômicas para a indústria dos fertilizantes químicos. Os tratamentos da rocha fosfórica com ácidos tem permitido que a indústria agroquímica possua a “propriedade intelectual” desses produtos como insumo básico para a agricultura, com exclusividade e alto valor agregado.

Durante mais de 150 anos ouvimos a oferta dos fertilizantes da agroquímica, a partir de reações químicas do ácido sulfúrico sobre a rocha fosfórica:

Ca3(PO4)2 + 2H2SO4 ------- 2Ca(H2PO4)2 + CaSO4 (gesso descartável)

Controlando a quantidade de ácidos na reação era possível economizar insumos, mas o fertilizante industrial era de qualidade inferior em função de ser mais facilmente absorvido e fixado no solo:

Ca3 (PO4)2 + H2SO4 ------- Ca (HPO4)2 + CaSO4

A pergunta é mais simples: Porque este conhecimento básico da solubilidade das rochas não é ensinado nos cursos de Agronomia, Química, Biologia, entre outras? Em vez disso são ensinados os marketing e o adestramento para a oferta e o consumo de produtos com alto agregado em tecnologias.

Posteriormente o superfosfato simples foi transformado pela agroindústria em matéria prima através da seguinte equação:

2Ca3(PO4)2 + 6H2SO4 -------- 4H3PO4 + 6CaSO4 (1ª equação)

Ca3(PO4)2 + 4H3PO4 ---------- 3Ca(H2PO4)2 (2ª equação)

Esta é a fabricação do superfosfato simples, em que somando as duas equações teremos:

3Ca3(PO4)2 + 6H2SO4 --------------- 3Ca(H2PO4)2 + 6CaSO4

Nosso maior interesse ao efetuar a explicação da metamorfose química descrita acima com o elemento químico fósforo, é tentar dominar a tecnologia para poder contextualizar e redesenhar em função da realidade, no momento da necessidade na própria propriedade dos campesinos, com os recursos provenientes do interior de suas propriedades.

Não é nenhuma novidade que a casca de arroz é abundante na maioria dos países. Em análises da casca de arroz constatou conter aproximadamente 90% de composição de silício, transformando numa alta porcentagem de dióxido de silício (SiO2) através do calor. Então, quando mesclamos o dióxido de silício com uma farinha de rocha rica em fósforo como a apatita e farinha de ossos, calcinada numa pirólise, obtemos a matéria prima para fabricar qualquer tipo de fertilizantes fosforados com os quais os cultivos fortalecem seu estado nutricional e imunológico:

Ca3(PO4)2 ------------ 3SiO2 ------------- 3CaSiO3 ---- P2O5 (P4O6)

Esses silicatos de cálcio e potássio, assim como os pentóxidos e trióxidos de fósforo são estratégico para a economia de um país periférico e podem ser preparado na casa de qualquer agricultor, sem custos e utilização de energia externa.   

Fosfitos



São preparados que se fazem a partir da farinha de ossos previamente calcinada e mesclada principalmente com casca de arroz ou de café, em condições de combustão muito lenta.

A farinha de ossos calcinada contém principalmente entre 24 e 28% do elemento cálcio, e entre 8 e 14% do elemento fósforo, e a cinza da casca de arroz pode chegar a conter até 90% de silício.

Nos ossos o cálcio e o fósforo estão fortemente unidos, formando o fosfato de cálcio. Mesclando a farinha de ossos calcinada e moída com a casca de arroz, e mediante uma combustão lenta e incompleta é possível obter um produto que denominamos fosfito, em que o fósforo está livre e altamente disponível para as plantas e o cálcio se liga ao silício para também ser aproveitados pelos cultivos.

Função de cada elemento

As principais funções do silício e do cálcio é fortalecer a estrutura das plantas, dando flexibilidade e ao mesmo tempo promover uma grande resistência imunológica contra o ataque de insetos e enfermidades, aumentando assim a eficiência da fotossíntese nas plantas cultivadas.

A principal função do fósforo é prover constantemente a energia necessária nas plantas para seu desenvolvimento pleno, de modo tal que todas as atividades fisiológicas se cumpram em forma normal e saudável.

Usos

Recomenda utilizar o produto, sendo possível, durante todas as etapas do desenvolvimento fisiológico das plantas, sendo que, se pode aplicar desde o revestimento das sementes, crescimento vegetativo, floração e frutificação.

É ótimo para fortalecer o desenvolvimento normal das plantas fazendo a crescer com vigor e plena saúde. No mais, é um excelente produto quando se aplica em cultivos que estão afetados por ataques de enfermidades fúngicas e bacterianas. Mesclando os fosfitos com um pouco de pasta sulfocálcica obtém se um creme de excelente qualidade, principalmente para o controle de câncer nos troncos de árvores frutíferas.

Os fosfitos, tem uma grande vantagem de serem absorvidos e espalhados em todas as direções e partes verdes da planta, como também, as raízes. Devido esta ação sistêmica, a curto prazo, permite rapidamente corrigir deficiência de fósforo nos cultivos e podem ser aplicados de diferentes formas: em sistemas de irrigação, pulverizações foliares, pincelando os troncos ou partes afetadas das árvores e na imersão de plântulas para o transplante.

Uma vez aplicado o fosfito nos cultivos, os mesmos são absorvidos em um tempo aproximadamente entre 3 e 6 horas e por isso se deve ter cuidado com as dosagens, para qual se recomenda não aplicar quantidade superiores a 24 kg por hectare, pois os mesmos podem apresentar fitotoxicidade. No mercado estão disponíveis uma série de produtos à base de fosfito de potássio, cobre, magnésio, cálcio, boro, zinco e manganês, os quais além de fornecer ou prover o elemento fósforo aos cultivos, também ajuda a corrigir as deficiências de outros elementos que provocam problemas fisiológicos nas plantas: enegrecimento apical do tomate e pimentão, empedramento do mamão papaia, queda das plumas do algodão e dos grãos recém formados do cafeeiro. 

Utensílios

O principal utensilio para elaboração dos fosfitos é o “morteiro metálico”.
- tubo de 1,70 a 2 metros de comprimento
- 3 ou 4 polegadas de diâmetro
- altura do chão entre 15 a 17 cm



Morteiro queimador feito em Araçatuba – SP – custo R$ 27,00


Ingredientes

- 5 a 10 sacos de casca de arroz ou café;
- 50 kg de ossos, preferivelmente frescos e crus; o melhor material ósseo são as mandíbulas pela presença dos dentes e alta concentração de fósforo que os animais depositam na parte do corpo;
- madeiras (lenha para queimar os ossos e iniciar a queima da casca no morteiro);
- Tambor de 200 litros metálico com furos no fundo;
- Um pilão, moedor de café;
- Peneira.

Calcinação dos ossos


Tambor com furos no fundo para permitir a entrada de ar e queimar os ossos junto com a lenha em seu interior.

Após a calcinação dos ossos os mesmos devem ser moídos, ou socados em pilão, assim, obtemos a farinha de osso.

Com a farinha de ossos moída, acender o morteiro e circundar com as cascas de arroz até cobrir totalmente o fogo, mantendo o aceso apenas no centro e entrada inferior do morteiro. Aplicar a farinha de ossos, 3 a 5 kg acima da primeira capa de casca de arroz.

Iniciando a combustão lenta da casca de arroz.

A duração de toda a tarefa depende da quantidade de materiais que se tem disponível para fabricar o preparado fosfito. É importante saber que quanto mais lenta o processo de combustão, melhor será a qualidade do produto final.

Observação:

Tanto o calor como a fumaça que se desprende de todo o processo de fabricação dos fosfitos, em muitos casos, podem ser aproveitados para controlar o impacto das geadas em lugares frios aonde se trabalha com estufas na produção de flores, hortaliças ou mudas.

Aplicações dos fosfitos na Agricultura

Podem ser aplicados principalmente: no revestimento de sementes, biofertilizantes foliares especialmente fosfatados, adubos orgânicos, alimentação de minhocas, tratamento e recomposição de estercos e urinas, junto ao pó de folhas secas, multiplicação e ativação de microrganismos nativos dos bosques, etc.

No entanto, a melhor maneira de trabalhar com a aplicação dos fosfitos é através dos processos de fermentações anaeróbicas, entre os quais destacamos o enriquecimento do biofertilizante Super Magro no momento do preparo.  

preparação do biofertilizantes fermentado
biofertilizantes con La mierda de Vaca e Fosfito
- utilizar 3 a 5 kg de fosfito no preparo de 200 litros do tradicional biofertilizante Super Magro. Servirá para potencializar os efeitos energéticos, hormonais e nutricionais do preparado. Aplicar na proporção de 3 a 7 litros em 100 ou 200 litros de água;

- Dissolver 100 gramas de fosfito em 20 litros de água, mesclando com ½ a 1 litro de calda sulfocálcica. As aplicações estimularam o poderoso sistema eliciador que as plantas possuem para se defender principalmente dos ataques de enfermidades fungicas e bacterinas.

A aplicação dos fosfitos fermentados pode se fazer diretamente sobre as folhas dos cultivos ou diretamente sobre o solo, numa concentração que poderá variar entre 2 a 10%. Quando a aplicação destinar ao solo, o ideal é que o mesmo esteja com o máximo de uma boa cobertura verde para sua incorporação a posterior com a poda fornecendo um alto teor de matéria orgânica.

Fonte_ El ABC de la Agricultura Orgânica, fosfitos y panes de piedra _ Jairo Restrepo Rivera . Julius Hensel_ p. 288 a 302.

Contribuições_ Oliver Blanco @extensionista_Blanco Agricultura_traduções rústicas no linguajar caboclo do cerrado alagado pantaneiro do Santo Antônio do Leveger... Caso não entender, procurar uma aproximação amiga até a fonte, ou os serviços de uma de nossas tradutoras do dialeto local, capiau-periurbano. 

2 comentários:

Vera Lucia disse...

Olá, parabéns pelo Blog!
Sou da empresa Gramas Primavera, conte conosco para informações sobre:
Grama natural
Grama Esmeralda
Gramas para paisagismo
Como plantar grama
Grama preço m2
Venda de grama
Comprar grama
Grama Esmeralda
Grama Batatais
Grama São Carlos
Grama Bermudas
Gramas para Jardim
Um grande abraço!
Cordialmente, Vera Lucia.

Anônimo disse...

Belo conteúdo, gostei muito, essa parte do fosfito ficou bem esclarecido pra mim show !!!!

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...