"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Dança com a Taça

"O segredo de uma vida empolgante não está em descobrir maravilhas, mas em procurá-las".

por Sebastião Pinheiro

A primeira comemoração feita pelos atletas alemães perante sua torcida pela conquista da Copa Mundial FIFA no gramado do Maracanã foi a dança com a taça (foto). Maracanã é o nome indígena do rio (já canalizado) que cortava aquela várzea e seguramente havia grande quantidade do periquito que leva esse nome (foto), também conhecido por maritaca. Imediatamente lembrei-me de outra pajelança, a professor e grande cientista Augusto Ruschi. O conheci e a seu filho André em Santa Tereza no Espírito Santo. Ruschi e Kausky eram cientistas e líderes orgânicos do povo brasileiro.

Kausky com suas orquídeas quase microscópicas e Ruschi com orquídeas, colibris e beija-flor e Mata Atlântica. Quando Ruschi estava muito mal o cacique Raoni e o pajé Sapaim fizeram a pajelança para desintoxicá-lo do envenenamento pelo sapinho dendrobata que havia tocado no interior da Floresta Amazônica. A mídia repercutiu que ele se sentia curado, apareceu na televisão, jornais, rádios sentando e levantando seguidas vezes para mostrar o resultado do tratamento indígena.

Contudo, pouco tempo depois começou a piorar em função da hepatite C fruto dos seguidos tratamentos contra as recidivas de malária.

Já muito doente, uma rede hegemônica de comunicações ofereceu-lhe o custeio do tratamento na Clinica Mayo em Phoenix, AZ.

Vendo aquela cobiçada taça de cinco quilos de ouro e os jovens atletas teutônicos fazendo a dança indo e vindo à taça, me fez lembrar minha estupefação quando o cientista negou-se a aceitar o convite da Rede de Comunicações e disse aos amigos: Eu não vou trocar uns dias mais de vida, pela desmoralização dos indígenas, que é o que estou percebendo.

Era uma época braba. O governo do Espírito Santo com respaldo federal oferecia ilegalmente terras indígenas, quilombolas e de populações tradicionais à Aracruz Celulose (Casa de Windsor, Coroa Norueguesa) para o plantio de eucalipto. A luta de Ruschi era encarniçada contra a destruição da Mata Atlântica, orquídeas, beija-flores, água e muito mais indígenas, que para um bom número de brasileiros vale muito menos que uma estrela bordada na camisa da seleção de futebol, enquanto que para outros vale centenas de vezes o peso daquela taça de ouro.

Os alemães agradeceram a força mística da pajelança na cerimônia de despedida dos indígenas pataxós e novamente veio à memória o que aconteceu na véspera da instalação da Conferencia das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, a Rio-92. A mesma cadeia de televisão denunciou com grande alarde e sensacionalismo que o cacique Paulinho Paiakan da tribo dos Caiapós e sua esposa haviam estuprado uma jovem branca... Os movimentos sociais de todo o mundo presente à conferencia sentiu o golpe. As articulações de entidades por essa artimanha ficaram fragilizadas no evento. Entretanto, em 1994 os indígenas foram absolvidos. Interessante em 1999 eles voltaram a ser julgados pelo mesmo crime, e então condenados a seis anos de prisão.

A seleção alemã de futebol como estratégia e logística construiu sua sede próximo ao lugar onde o Brasil recebeu os primeiros europeus, no “descobrimento” e ali desde o Século XVIII na colonização portuguesa havia um escudo para proteger e impedir a mineração de ouro, por tal as terras eram públicas e muito preservadas e mantiveram algumas etnias.

O Serviço de Proteção ao Índio criado em 1910 possuía ali uma reserva de 50 mil hectares. Mas, começou a ceder a terra indígena para o desmatamento e assentamentos de criadores de gado e com o inicio do cultivo do Cacau no Sul da Bahia havia uma grande pressão dos coronéis, barões e transnacionais do Cacau para a expansão das plantações. O cacau só cresce sob o manto e sombra da floresta.

Para mais rápida expulsão e degradação indígena se aproveitaram da Intentona Comunista e fizeram acusações que os indígenas estavam se organizando células comunistas e assim o SPI reduziu a Reserva de 50 mil hectares doando 15 mil hectares, distribuídos entre os coronéis e barões do cacau em 1936.

Progressivamente diferentes etnias indígenas do Estado da Bahia foram transportadas para a reserva que minguava e misturada às etnias (Pataxó Hãhãhãe, Baenã, Tupinambá, Kariri Sapuyá e Pataxó). Em 1950 da área restava apenas 3 mil hectare o resto estava todo arrendado a comerciantes afilhados de políticos locais.

O chefe do Posto Indígena para pagar as dívidas aos arrendatários que eram os comerciantes que forneciam alimentos aos indígenas confinados vendia o gado criado pelos indígenas gerando insatisfação e debandada.

Em abril de 1964 intensificou a cobiça por terras públicas e indígenas para a agricultura moderna, um compromisso com as multinacionais de insumos e capital financeiro.

Somente em 1982 com o SPI desde 1967 transformado em FUNAI é que as gerações remanescentes começaram a organizar-se na busca de re-significar sua identidade e começaram a prestar depoimentos sobre o seu “holocausto” e genocídio cultural, pois foram durante décadas proibidas de falar em seu próprio idioma e praticar sua cultura. Os que resistiam eram torturados violentamente ou consumidos delicadamente.

Seguindo os preceitos de Paulo Freire, quando o Pró-Reitor de Extensão da UFRGS, um agrônomo é meu chefe comemorava eufórico que uma jovem indígena havia se graduado advogada e pretendia trazê-la para uma palestra. Ficou desconcertado quando eu lhe questionei: Onde no Brasil havia uma faculdade indígena com curso de direito. Depois ficou enraivecido e colérico.

Eu não o peitava por ideologia, é que como cidadão e ativista acompanhei o crime cometido contra o pataxó Hãhahãe Galdino Jesus dos Santos, (foto) que fora participar em Brasília do Dia do Índio (19 de Abril de 1997) e ter uma audiência com o presidente da República pela recuperação das Terras no Sul da Bahia.

Após as comemorações perdeu-se na cidade e chegou tarde à pensão onde estava alojado e para não incomodar foi dormir em uma parada de ônibus. Foi encharcado com álcool e queimado vivo por um grupo de cinco jovens da alta sociedade branca de Brasília que alegaram que não sabiam que era um índio, pensavam que era um mendigo e estavam brincando e queriam dar um susto.

Julgados foram condenados, mas sequer cumpriram a pena e pouco tempo depois estavam livres... Talvez até tenham assistido aos jogos da Copa.

Ruschi foi um grande defensor dos direitos indígenas. Uma das coisas importantes que aprendi com ele foi o índio é o guardião das matas e onde não há mais mata há a necessidade de compatibilizar a Reforma Agrária, a Agricultura e a Preservação Ambiental como exercícios de cidadania.

Foi com ele que entendi finalmente o significado do quadro Abaporu (Tarsila do Amaral): “Homens que comem homens”; E o lema “Tupi or no Tupi” da Semana de Arte Moderna (1922).


Eu torci pela Argentina, mas fiquei contente com a dança dos alemães, pois a televisão teve de mostrar e o Brasil ver. Finalmente os companheiros de Galdino foram reconhecidos na dança de agradecimento dos teutônicos em pleno gramado. Todos deveriam saber decifrar. Sem esnobismo, mas alemães não improvisam jamais e adoram cifrar as coisas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...