"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

domingo, 6 de dezembro de 2015

Onde as crianças não tem vida de cachorro, aprendem ética e moral para a vida

"Onde as crianças não tem vida de cachorro, aprendem ética e moral para a vida"

contribuição de Sebastião Pinheiro

* "PELOS CINCO JOVENS CARIOCAS EXECUTADOS PELA POLÍCIA, PELOS 43 MEXICANOS, PELAS COMUNIDADES DAS ESCOLAS ITINERANTES DO MST, PELOS MILHARES PAULISTAS E POR TODOS OS OUTROS JOVENS QUE TEIMAM EM SONHAR POR DIAS MELHORES PELAS AMÉRICAS e pelo Mundo... minha homenagem, com essa lembrança (vídeo) da memorável luta dos estudantes argentinos, que tornou-se filme, sobre um período que os ouvidos do Estado também se fechava, quando a escuridão da estupidez, fracassadamente, tentava apagar a primavera, machucando ou cortando suas flores." Ronaldo M. Botelho (facebook) 


Os três casos postado pelo amigo Ronaldo* embora trágicos são a ponta do "iceberg", pois o tema da infância é bem mais complexo: Não aborda as crianças soldados na Africa (responsabilidade maior dos países industriais); nem os soldados do tráfico de drogas na América Latina ou a prostituição infantil (pedofilia) em todos os continentes, que mutilam valores éticos e morais delas.

O filme sueco "Minha vida de cachorro" (Mitt liv som hund, 1985) é um libelo pelo respeito à infância com qualidade pelo Estado, mas deficiente, principalmente no tocante ao amor e espírito. Qualquer criança de favelas e vilas miséria ao vê-lo sentiriam vergonha de sua sina e nacionalidade.
O dramático nos exemplos postados é que nos três casos as crianças possuíam valores éticos e morais. Os argentinos eram alunos secundaristas (11 a 16 anos) do Colégio Nacional padrão de educação da Universidade Nacional de La Plata, elite estudantil em um país republicano em sua essência. Eles estavam reivindicando a manutenção do desconto estudantil na passagem de ônibus municipal e fizeram uma passeata e seu cântico "Tomála vos, pasámela" era uma paródia à Copa do Mundo FIFA do ano seguinte. Das várias dezenas, somente um deles conseguiu sobreviver à tortura, inanição, doença e simulacro de fuzilamentos na prisão na última ditadura Argentina de Videla, Massera e outros. Contudo o responsável maior foi o Secretario de Estado Henry Kissinger que deu o sinal verde para o massacre infantil, sem o qual, não ocorreria.
Os 43 jovens mexicanos do curso superior de Magistério Rural de Ayotiznapa são uma elite muita parecida à anterior e seriam os futuros professores dos alunos das áreas rurais mexicanas, uma das mas complexas do mundo pela diversidade étnica, cultural e social. Foram mortos por milicias de narcotraficantes e agentes policiais corruptos ligados ao Prefeito que desejava que sua mulher fosse sua substituta no cargo eletivo pelo impedimento legal. O pretexto para a chacina e desaparecimento dos jovens foi o abuso da ordem nacional de submissão à desmontagem dos direitos à educação, uma conquista constitucional e revolucionária mexicana.
O terceiro exemplo é o nosso, onde jovens humildes de comunidades carentes, geralmente afrodescendentes, são segregados na oportunidade de emprego por serem alunos de escola pública e não terem a mesma formação que a jeunesse dorée da zona Sul do Rio de Janeiro. Talvez seja essa a mais dramática situação entre os três casos, pois é invisível a ausência do Estado e joga um contingente gigantesco nas mãos do narcotráfico carioca e nacional, onde o índice de sobrevida aos 25 anos é inferior ao da Síria em Guerra Civil há cinco anos. Fuzilados por seus iguais fardados quando retornavam da comemoração de um deles haver conseguido um emprego: 70 tiros de fuzil.
O mais triste é que todos os dias vemos nos meios de comunicação línguas de aluguel dizendo que necessitamos uma lei antiterrorismo, atendendo a Ordem Internacional do Kissinger de turno. A Ordem é inibir e criminalizar os Movimentos Sociais, que embora tenham defeitos, impedem crianças de se prostituirem ou fiquem como reserva para o narcotráfico, pela ausência de políticas públicas, que na Suécia existe até para cachorros e aqui "faz de conta" ou está sob tutela de ONGs de Copacabana.
Os espartanos na Grécia antiga se preocupavam com o ensino do valor e comportamento ético e moral elevado para que o futuro cidadão soubesse defender a sociedade e o faziam através de fábulas e contos infantis, pois sabiam da importância da ebulição infantil e juvenil na amplitude dos horizontes, zênite e evolução humana.
Fui criado com as fábulas de Monteiro Lobato, mas a atual é macabra: Em uma grande lagoa 204 milhões de bichos disputavam um lugar ao Sol. Todos queriam ser escolhidos para cuidar do Sol, mas os sempre preteridos denunciavam, vigilantes toda e qualquer manobra na administração do Sol sem preocupação com resultados ou objetivos. Até que esses vigilantes, já considerados vestais do Sol foram eleitos para cuidar do Sol. Todos acreditavam que a esperança havia superado o medo. O Sol brilhava forte como nunca e para todos. Estranhas denúncias começaram a surgir (Ação 470) e terminou levando um número de líderes dos vigilantes-vestais à cadeia, sem formação de quadrilha. A grande maioria devaneou, pois o ditado de antanho: "Pobre nunca come melado, mas quando come se lambuza" se encaixava, e alternava com o platônico: "São pequenas mentiras para o bem dos humildes".
Tentaram tapar o Sol com a peneira, mas não passou muito tempo explodiu a "Lava à Jato". O Sol perdeu o brilho; Os olhos a esperança, substituída pelo escárnio no aguardo do desespero, desemprego e endividamento em uma crise gigante.
Muitos bichos festejavam a desgraça dos ex-vigilantes vestais. Os disfarçados de patriotas riam como hienas. No entanto, morcegos e macacos, a grande maioria atônitos e silenciosos respeitavam a agonia dos mais humildes. Continuaram as novas condenações e prisões.
Chegou o dia, um escorpião clerical desrespeitou a investidura e solicitou que a vestal-mór lhe atravessasse nas costas para o outro lado da lagoa. Cercada de inépcia, mesmo sabendo o resultado já conhecido por todos, ansiosa cedeu à esperteza e o escorpião subiu à suas costas...
Qual será o resultado? Na beira da lagoa clama a "turma do deixa disso"; Uns se justificam que morrem os dois; Os ingênuos creem que vai começar a grande depuração; Há os entreguistas, calados torcem para que tudo continue como antes. Poucos acham mau exemplo, para as crianças. O mal está feito, seja qual for o resultado.
Amanhã será outro dia e qualquer criança ao crescer vai lembrar mais da desgraça de diminuição do diâmetro legal do crânio para rebaixar o número de caso na microcefalia. Ela começou no estado que mais recursos recebeu do Ministério da Saúde, do titular conterrâneo , médico e candidato a senador, que ainda não disse um aí sobre o tema.
As crianças sem fábulas crescem e governam o Brasil que possui mais de cem arboviroses (mesmo grupo do zika), que pela dispersão do Aedes logo estarão infectados. As consequências nem interessam, sim que a propina na compra do veneno seja substancial.
A consciência das crianças de La Plata, Ayotiznapa e das favelas e vilas misérias brasileiras é única e sabem o significado de todas as fábulas, contudo a disputa é desigual entre o valor cívico e propina mercantil. As elites nacionais respondem sem respeito ao patrimônio e porvir.
Onde as crianças não tem vida de cachorro, aprendem ética e moral para a vida (foto acima).
O jogo do poder, seja na educação, saúde ou agricultura impede a divulgação de livros, como "Plow´s farmers folly" (La insensatez del Labrador de Edward H. Faulkner) de 1944 (El Ateneo, Buenos Aires). Esse livro em seu capítulo XII diz que as pesquisas sóbrias e dados sérios com valor social sobre o solo e saúde das plantas deixaram de ser ensinados nas escolas e publicados na mídia pelo governo (EUA) desde 1910 quando enveredou-se no mercantilismo (propinas) de interesse financeiro, hoje denominado de Agribusiness. Esse é um dos 120 títulos banidos das bibliotecas públicas yankees.
Sem fábulas na infância, os adultos aceitam com naturalidade o Transplante de Bioma Fecal e as tratativas sobre o Clima do Planeta na COP 21 em Paris, como se o futuro do planeta estivesse dependente dos humores das Bolsas ou preços e bonificações.

Não é fábula, há gente pensando em reparar a microcefalia através fisioterapia, e, no futuro, com transplante de cérebro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...