"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

quinta-feira, 10 de março de 2011

Deixa o mato crescer




A mensagem do Tom ao Brasil é correta, atual, necessária, sem enganação e deve ser colocada em prática. Protegida, investida, distribuída, compartilhada. A agricultura brasileira, o povo brasileiro, tropical, necessita buscar, viver, produzir e semear a Agroecologia. Devemos combater àqueles que impõe o veneno, o químico e a semente manipulada "Vá embora daqui coisa ruim". Devemos combater o desmatamento, chega! Sempre é tempo de tecer um novo futuro. Chega de dar lucros às empresas. Selecione, investigue, questione o teu consumo. Valorize o Brasil.

Borzeguim
Composição: Antônio Carlos Jobim
 
Borzeguim, deixa as fraldas ao vento                                       Escuta o mato
E vem dançar                                                                          Escuta
E vem dançar                                                                          Escuta o vento cantando no arvoredo
Hoje é sexta-feira de manhã                                                    Passarim passarão no passaredo
Hoje é sexta-feira                                                                    Deixa a índia criar seu curumim
Deixa o mato crescer em paz                                                   Vá embora daqui coisa ruim
Deixa o mato crescer                                                               Some logo
Deixa o mato                                                                           Vá embora
Não quero fogo, quero água                                                     Em nome de Deus é fruta do mato
(deixa o mato crescer em paz)                                                  Borzeguim deixa as fraldas ao vento
Não quero fogo, quero água                                                     E vem dançar
(deixa o mato crescer)                                                              E vem dançar
Hoje é sexta-feira da paixão sexta-feira santa                            O jacu já tá velho na fruteira
Todo dia é dia de perdão                                                          O lagarto teiú tá na soleira
Todo dia é dia santo                                                                 Uirassu foi rever a cordilheira
Todo santo dia                                                                         Gavião grande é bicho sem fronteira
Ah, e vem João e vem Maria                                                    Cutucurim
Todo dia é dia de folia                                                              Gavião-zão
Ah, e vem João e vem Maria                                                    Gavião-ão
Todo dia é dia                                                                          Caapora do mato é capitão
O chão no chão                                                                        Ele é dono da mata e do sertão
O pé na pedra                                                                          Caapora do mato é guardião
O pé no céu                                                                              É vigia da mata e do sertão
Deixa o tatu-bola no lugar                                                         (Yauaretê, Jaguaretê)
Deixa a capivara atravessar                                                        Deixa a onça viva na floresta
Deixa a anta cruzar o ribeirão                                                     Deixa o peixe n'água que é uma festa
Deixa o índio vivo no sertão                                                       Deixa o índio vivo
Deixa o índio vivo nu                                                                  Deixa o índio
Deixa o índio vivo                                                                      Deixa
Deixa o índio                                                                             Deixa
Deixa, deixa                                                                              Dizem que o sertão vai virar mar
Escuta o mato crescendo em paz                                               Diz que o mar vai virar sertão
Escuta o mato crescendo                                                           Deixa o índio
Escuta o mato                                                                            Dizem que o mar vai virar sertão
                                                                                                 Diz que o mar vai virar sertão
                                                                                                 Deixa o índio
                                                                                                 Deixa
                                                                                                 Deixa

          

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...