"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

domingo, 16 de junho de 2013

Helicoverpa armigera

Estratégia bem montada das grandes Corporações Agrícolas em Biotecnologias  mundiais, detentoras da transgenia, para renovar os defensivos (veneno), as novas variedades transgênicas (Bt), as velhas pesquisas e, continuar o ciclo maléfico do pacote tecnológico da (in)Revolução Verde em solos brasileiros. Todo esse falatório foi pensado e possui bases que o sustenta. Instituições de pesquisas, promotoras, do que considero ser um desperdício na pesquisa brasileira (predomínio sempre de milho, soja, etc) e sempre a favor do seu "investidor internacional"(?) contribui para a dependência de nossa agricultura, apesar de sua capacidade em reverter o quadro. 


Manter os ganhos. Manter a dependência do "nosso Agronegócio". Manter as metas de venda em milhões - agrotóxicos, adubos, sementes transgênicas, e outros itens que a cada ano encarecem. Manter a expansão das fronteiras agrícolas - desmatamentos. Manter o Brasil como o grande exportador de matéria prima, quantitativamente. Manter a agressiva política capitalista cuja renovação de novos produtos fazem parte do continuado "Poder da Ideologia". Assim como o tomate da Ana Maria "Brega" em provocar o pânico inflacionários aos leigos, o pânico da Helicoperva armigera "atende a interesses privados que fazem do governo", da pesquisa, do agricultor, refém. 

O pânico foi instalado. Nova praga comilona! A já cunhada "lagartona"- Helicoverpa armigera ("(...) praga que mais afetava a produção de algodão na China"). - que coisa, não!

Vejamos as recomendações no site da Apta (agência paulista de tecnologia dos agronegócios) sobre a tal H. armigera; quase não se nota o favorecimento aos ganhos "multinacionais": 
"Tecnologia como o uso de cultivares resistentes deve ser adotada."

- "(...) três químicos (Clorantraniliprole, Clorfenapyr e Indoxacarbe) no combate à praga. Estes 5 agrotóxicos já possuem registro no Brasil. 


- quer dizer então que já existem novos híbridos transgênicos dispersados em instituições de pesquisa no Brasil? sim. Recentemente fui a um encontro na Apta (regional de Assis) em que se abordou, por dois pesquisadores da Apta (Aildson Pereira Duarte e Marcos Doniseti Michelotto) testes de aplicações de agrotóxicos e produtividade em relação a híbridos convencionais e transgênicos (Bt); a pesquisa comparava  16 cultivares de híbridos convencionais com 36 híbridos transgênicos (Bt). No encontro teve a presença do pesquisador da Esalq, Celso Omoto (Manejo da Resistência de Pragas a Inseticidas e Plantas Geneticamente Modificadas no Sistema Soja-Algodão-Milho). O Dr. Celso fez parte da comissão da CTNbio quando os transgênicos foram liberados pelo governo em 2007/2008, como ele mesmo disse em sua palestra.

- que brasilidades desses nomes a baixo...

(Empresas participante do evento: Advanta; Agromen Sementes Agrícolas - JMen; Bayer CropScience; Du Pont do Brasil - Pioneer Sementes e BioGene; Dow AgroSciences - Dow e Morgan; Brasmilho - Limagrain Guerra; Helix Sementes - Biomatrix; Monsanto do Brasil - Agroceres, Agroeste e Dekalb; Nidera Sementes e a Syngenta).

Citados no post, assim aparecem no Google, na pesquisa interna da empresa, como marketing negativo e lembrá-los que podemos ser pequenos mais nos engolir e outra coisa... 

P.S. Única empresa brasileira que participou, com um exemplar de Híbrido Duplo de milho, não transgênico foi a Semeali Sementes Antoniali. Presentes há 23 anos no mercado com trabalho honesto em híbridos de milho e sorgo. O híbrido apresentado atingiu acima de 10.000 kg/ha.




Pode ser a Lagarta-da-espiga (Helicoverpa zea),


ou a Lagarta-da-maça (Heliothis virescens), muita parecida com as Helicoverpas,


ou a própria e agora nova "lagartona" armigera...


serão todas lagartas como milhares de espécies existentes no mundo todo. A nocividade não está nelas, e sim, na maneira como o sistema agrícola dominante impõe o manejo produtivo degradante do ambiente. A natureza sempre irá superar os meios científicos do homem quando este, a tentar, manipulá-la, agredi-la. A lagarta é resistente a tecnologia Bt e o caminho não é criar novos transgênicos e sim preserva a qualidade contida no genótipo dos híbridos para que as expressões de seu fenótipo, nas pressões e interações do bio-diversificado meio ambiente tropical, sejam as melhores em níveis produtivos.

"A Embrapa dispõe de tecnologias para resolver, com superioridade, todos os problemas que são usados como justificativas para a expansão de transgênicos. A Embrapa possui até soluções para os problemas causados pelos transgênicos – como as plantas que não morrem com a aplicação de herbicidas e os insetos que atacam as lavouras Bt. Mas não apenas a Embrapa dispõe desses conhecimentos. Organizações, redes e feiras de produtores de base ecológica podem ser visitados em praticamente todos os lugares do Brasil. E não se trata apenas de lavouras de pequeno porte, embora estas predominem. Temos vastas áreas com lavouras de soja, de milho, de arroz e de outras culturas produzidas com técnicas de base agroecológica."

Não se discute a perda da fertilidade anual do solo. Não se discute o impacto de anos de aplicações do adubo químico, das aplicações dos agrotóxicos e agora dos resíduos culturais de variedades transgênicas (Bt) na pressão ecológica da micro e macroflora do solo e das próprias espécies de Mariposas (nelas, em laboratórios só testam o que se podem matá-las) por exemplo. O meio ambiente não suportaria tanta burrice. A interpretação errada pelo ser humano da natureza a sua volta, custa caro. As externalidades ambientais ainda não são posta na balança de custos.

Não se bota em pauta a qualidade, por exemplo, proteica do milho, que proveniente de um solo bem conduzido em seu real manejo, em cobertura vegetal (a proteção por adubações verdes) por exemplo, e de um acompanhamento técnico eficiente em Manejo Integrado de Pragas, bem como, as estratégias em favorecer a diversidade vegetal do ambiente, o policultivo, os inimigos naturais,... inté mesmo: a agregação de valores da matéria prima que sai dos solos brasileiros, favorecendo nossas agroindústrias ou criação delas.

O que se vê é a nova, a grande mentira é o novo, PRAGA = VENENO = + UR$ LUCRO = DEVASTAÇÃO DA RIQUEZA NATURAL...

...a mídia faz criação do pânico, na reportagem do Globo Rural, neste domingo 16.06.2013 para depois introduzir sem contestações os novos Venenos, os novos híbridos transgênicos Bt e os novos preços...

Praga destrói lavouras de soja, milho e algodão por todo o Brasil


    _acesse o vídeo acima_
_acesse as duas entrevistas a baixo_

  "Na verdade, proclamar 'o fim da ideologia' é em si uma ideologia característica. Significa a adoção de uma perspectiva não-conflituosa dos desenvolvimentos sociais contemporâneos e futuros (posição com a qual os defensores dos interesses ideológicos dominantes se comprometeram ao proclamar, totalmente, 'o fim da ideologia no Ocidente') ou a tentativa de transformar os conflitos reais dos embates ideológicos na ilusão das práticas intelectuais desorientadoras, que imaginariamente 'dissolvem' as questões em discussão mediante alguma pretensa 'descoberta teórica'.

(...) Marx já argumentava contra as ilusões que desejavam atribuir à ideologia  essa 'aparência de independência', enfatizando ao mesmo tempo que tais opiniões, mesmo que conjugadas com um radicalismo verbal, são características dos 'conservadores mais empedernidos'. Continuava dizendo que as várias ideologias e formas de consciência a elas correspondentes não possuem história própria, não têm uma dinâmica independente de desenvolvimento, devendo ser entendidas como ligadas do modo mais íntimo com os processos de desenvolvimento da vida material dos indivíduos reais."

Creio que há vários pesquisadores brasileiros que vivem num sistema teórico que é apenas uma "bolha de sabão teórica". Se recusam a abandonar essa ideia desenvolvimentista de crescimento do PIB e superávits primários. Vivem na crença ilusória da "aparência de independência" recusando a "ceder caminho às esmagadoras evidências em contrário": nossa luta, nossa Agroecologia.

O.Blanco


Respeitem nosso milho Crioulo. Preservar a natureza do milho e garantir vida às próximas gerações! Diga não aos transgênicos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...