"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

domingo, 2 de agosto de 2015

Agroecologia é diferente!

Agroecologia é diferente!
É pela defesa do mundão e território compartilhado. Saber Alimentação e Saúde.
 É da Rede dos Povos: Latina, Pacha Mama e Família Cósmica!
Envolve todos/as a existirem. Resistir é regenerar-se.... regenerar o físico, a mente e o solo.
Agroecologia "é Movimento..."  Fluido do tempo. Fato. Noosfera interiorizada no 'saber empírico' de cada Ser. Vivência. Visão das estrelas e da pedrinha.
Holística. Mágica e Pacífica. Subjetiva: “Extensão ou Comunicação? ”
A construção do Saber, o conhecer e o compartilhar de tudo para todo/as. Informação, luta, amor.
Troca das sementes nas conchas de mãos. Mutirão!
 agriCultura evolutiva, ... na Missão de emancipar nossas Comunidades e preservar a espécie; modo de Ser e viver; a extensão não exógena do ambiente; economia sana, inferior! Sim. Mas solidária.  
Se envolve ‘jão’ Só comunidade e jovens domina tal proposta.
Pois bem, planos e Planapos.. MAPA! Tirem os dedos e a falsa ideologia de Brasil independente. Não será igual. Não é negócio-Agro de poucos grandes; é de muitos pequenos.
Se não ajudar não atrapalhem, nem tente enganar, pois temos ferramentas para o controle e a não-barbárie na batalha. 

Agroecologia é diferente! Axé. Paz e Luz. Oli



por Tião Pinheiro,

Estou chegando de Bananeiras, brejo paraibano, onde choveu uma semana sem parar e a temperatura não passou de 18 graus C. Um nevoeiro (como o fog londrino conhecido como “pea soup cream”) baixava repentinamente. O NEA-ITCP-UFRGS atendeu o convite da CCHSA da UFPB e ministrou o “Curso de Saúde do Solo e Cromatografia de Pfeiffer”, inclusive demonstrando a instalação de um campo de metagenômica e metaproteômica que ficará a cargo dos Doutores professores Raunira e Alexandre.
Embora o curso tenha sido excelente e acompanhado no pandeiro de Sossego, matei a saudade do ColégioAgrícola Vidal de Negreiros, onde estive a 19 anos atrás, mas minha gente voltei triste, consternado, e para diminuir minha dor a compartilho: Um imbecil, norte-americano, com graduação universitária assassinou “Cecil” um leão símbolo de um Parque Nacional do Zimbábue. As cores dos leões do Zimbábue, sua pelagem e juba são muito diferentes dos outros leões africanos esteticamente atraentes. Agora recordo sua excelência o Senhor Embaixador dos Estados Unidos uns dez anos atrás que justificava o uso de herbicida sobre os Parques Nacionais Colombianos, em carta resposta a um médico, que denunciava os danos à saúde humana, animal e meio ambiente publicado no jornal de maior circulação de Bogotá.
Sou cidadão de um país onde um advogado foi obrigado a usar a lei de “Proteção aos Animais para defender o tratamento humano a um preso político, que mais tarde se transformou em feroz Ditador. Logo, o significado da morte de “Cecil” poderia passar batida, mas o trágico é que no mesmo dia foi noticiado o atropelamento de uma suçuarana (puma) em rodovia paulista, transformada na Globo News em onça (jaguar). O que me fez devanear: Já não conhecemos nossa fauna...
O que me importa agora é: Por que puseram o nome do leão de “Cecil”?
Não é possível que fosse em homenagem a Cecil Rhodes ao racista, facínora e genocida que fundou empresas de colonização que se transformaram em “Rhodesias” para a Casa de Windsor, cuja Capital era Salisbury. Nem é possível que 50 anos depois de tudo que sofreram na luta da independência, desde a época dos “Mau-Mausgrande movimento revolucionário, onde as mulheres eram a parte mais importante e estratégica na luta pela independência, agora se dê o infeliz nome ao pobre leão assassinado (pelo cretino dentista que gastou 170 mil dólares) e recebeu um editorial no New Yorker Times... Império é império.

“Mau mau” é o nome que a inteligência britânica popularizou para desviar a atenção, pois o movimento se chamava Kenya Land and Freedom Army – KLFA- (Exército da Liberdade das Terras do Quênia) e isso pegava muito mal na época (vejam o filme Guerrilha com Sidney Poiters). Abarcava toda a África subsaariana. O gozado é que “mau-mau” era o anagrama da expressão suazili: "Uma Uma" (Fora Brancos), que significava prisão e tortura a quem ousasse proferi-la, pelo que se dizia: “Mau Mau”. Muitos desafiantes foram devorados por cães famintos.

É triste. As redes hegemônicas de televisão não permitem que se conheça história para eliminar a memória.

Lembrei dos amigos zimbabuanos “stipendiate” nas Alemanhas (ocupadas) que regozijavam o AK47 como “Banana Magazine” nos combates contra os traidores do King’s African Rifles. No Zimbábue o movimento era o ZAPU, de Joshua Nkomo e o ZANU de Robert Mugabe antevendo o fim da África do Sul a inteligência britânica se antecipou após a independência da Zâmbia (Rodésia do Norte) criou a criou a Rodésia do Sul, estratégica por ser o maior produtor de fumo do mundo. Era preciso protelar a derrota através dos genocidas racistas de Ian Smith, que “sem o apoio de Londres” podia fazer o que quizesse para manter a colônia para segurança da valiosa África do Sul. Tanto Frelimo como MPLA e o Congresso Africano de Mandela foram imprescindíveis para a independência do Zimbábue de capital Harare.


Não é possível que o leão tenha o nome de “Cecil” em homenagem a Rhodes. Sei isso, pois tive de estudar um pasto denominado em sua homenagem capim Rhodes (Chloris gayana) muy importante nas áreas áridas do mundo onde chove menos de 400 milímetros. Talvez por isso recebi a raríssima nota dez no exame de Praticultura (pradeiras). No Brasil foi introduzido desde o Kalahari um parente próximo dele bastante problemático, onde chove mais de 800 milímetros, o capim Annoni (Eragrotis plana, Nees), que um vaidoso colocou seu nome e hoje é uma praga internacional no Conesul. Não faz muito que um bando de imbecis me convidou para dar uma palestra sobre os danos do capim annoni. Por trás dele estavam os interesses de uma cooperativa, a Monsanto e uma entidade de latifundiários. Tomaram um torpedo e ficaram bem caladinhos e não houve a negociata corrupta de seu controle com herbicidas.


Voltando ao leão morto: Será que algum africano em sã consciência iria chamar o lindo leão de “Cecil”. Alerta minha gente: É necessário atender os anseios dos estudantes e professores retomando o verdadeiro significado do neologismo AGROECOLOGIA, hoje bastante usurpado. Mahatma Gandhi: Não será fácil interiorizar a liberdade, logo devemos ver na morte do leão o motivo para alertar os estudantes que as Fundações: Rockefeller, Nestlé, Kellogs, Sazakawa, Bill & M. Gates, Coca Cola, Pepsi e Aliança para a Revolução Verde na África, onde Kofi Annan, ex Secretario Geral da ONU é “Lobby boy” ou “Bellhop”.

Não podemos fraudar o sonho de nossos jovens. Ha que precavê-los. Vamos dançar o Kuarup pelo pobre leão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...