"

'Ofereço-me para cooperar com amor a fim de compartilhar a abundância de meu coração.'
'Comunico-me sem apegos e descubro a harmonia de evoluir na Terra.'

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Semente azul


por Sebastião Pinheiro

O amigo Dr. Joel filártiga no Facebook (06 / XII / 16) fez-me lembrar: no final da década de noventa o baixinho menem mandava na Argentina e o "Acadêmico" Cardoso no Brasil e a novidade eram as sementes transgénicas impostas por "colmeia" Clinton apoiadas pelos organismos multilaterais de finanças e tecnologias. O publicado pelo doutor sobre a escola que leva o nome de seu filho " Joelito " envenenada pela delta pine com sementes de algodão " vencidas " (sem poder germinativa) tratadas com uma bactéria geneticamente alterada e seis inseticidas e fungicidas " me fez reviver coisas Felizes, tristes e com medo.
Em 11 de dezembro de 98 estive em basiléia, na sede de uma entidade internacional de trabalhadores na indústria da alimentação e agricultura, com quem estava trabalhando somente por ideologia social e política. A Diretora Inglesa ficou muito chateada quando me perguntou sobre a Argentina e o Brasil no caminho liberal e eu sarcástico disse-lhe que em três anos ela ia ter sua resposta sobre a catástrofe. Eu errei por oito dias, pois o dia 19 de dezembro de 2001 Argentina conheceu o caos.
Pois em 19 de março de 99 fui chamado de urgência ao Paraguai para o atentado terrorista de delta pine em canto-í e canto florido no departamento de paraguarí. Lá conheci Ana Segovia uma das pessoas que abraçou a população e lutou pela causa correndo riscos de vida. Ela migrou para Espanha onde vive agora. Sim, no mundo há muita estenderá " (Rupert Sheldrake).

Ao chegar em Assunção, fomos direto para o local do cancele tóxico de 600 toneladas de sementes envenenadas por ordem do ing. Agr. Jones e Eric Lorenz cidadãos norte-Americanos e corrupção de seus subordinados nacionais. As pilhas de sementes, que cuidadosamente foram removidas de seus sacos para impedir a identificação estavam por toda parte e muito perto de uma escola com 276 alunos. Cauteloso sem os conhecidos comportamentos temperamentais ou passionais latino-americanos enchi uma garrafa de água mineral lavadas várias vezes com as mesmas sementes envenenadas. Eu ia voltar imediatamente para trabalha nelas e poder apresentar o meu documento para a entidade.

À noite fomos jantar e conheci uma das maravilhas da cultura guarani o "Chipa" um pão de mandioca feito em uma frigideira com queijo. No regresso ao hotel fui a uma manifestação, pois o partido colorado tinha convenção para seus candidatos à presidência da República, uma festa linda como todas as que existem no continente, mas sem futuro. Na madrugada eu ia sair para o meu voo e não é bom passar na alfândega com material subversivo (amostras de sementes envenenadas) algo não muito difícil para quem viveu os anos 70 na Argentina e Brasil e conheceu o que foi a guerra fria na Europa .
Passei fácil mas ficamos dentro do avião brasileiro mais de uma hora retidos sem saber o porquê. Finalmente o avião descolou e o comandante avisou que a retenção tinha sido pelo assassinado do candidato à presidência e vice-Presidente do Paraguai Luís Maria argaña. Fiquei com medo mas depois desembarcamos em Foz do Iguaçu.
Em sementes de cor azul tinha sem um conjunto de 2 inseticidas fosforados o mais perigoso deles o metamidophos que desdoblase em t.e.p.p (TETRA ETIL PYRO PHOSPHATE) arma de guerra química além do bacillus subtilis patenteado, além de 3 Fungicidas.
Em menos de 48 horas caminhe o documento para as providências. O livro de Carlos Amorin "sementes da morte" é rico em detalhes sobre o que aconteceu depois.

Hoje o Dr. Filártiga diz :- O ex-Ministro da Agricultura Pedro Lino Morel servian em cumplicidade com o ministro do interior naquele tempo Julio Cesar fanego arellano. Esta semente envenenada com agrotóxicos foi a causa do falecimento de três filhos e a Sra. Do Secretário do meio ambiente dessa comunidade Sr. João Paulo Baez. Produziu uma epidemia de casos de câncer e de morte de mais de uma centena de pessoas no período de mais de três décadas.

Não há tempo para ter vergonha. Sem ofender ninguém eu tinha certeza que isso ia acontecer e antecipei a quem com que colaboravam e não gostaram nem um pouco. Eu tinha a minha prioridade era enfrentar o "Contrabando oficial" de sementes transgénicas desde a base da Monsanto-Nidera e as elites brasileiras faziam de conta ser contrárias e eu precisava entender o que estava sendo executado sobre o estado nacional e a ordem mundial, pois todos os Protocolos, convenções e tratados estavam sendo quebrados por uma empresa com a mesma crueldade que a de deltapine no Paraguai.
Dois meses depois, em Salvador, o Ministério Público Federal organizou um debate sobre sementes transgénicas com a participação da Embrapa, universidades e movimentos sociais e eu compareci por intervenção das colegas lucedalva e Maria Higina. As pessoas da investigação enfeitado exultava, mas ficou muito chateada ao gritar que a biotecnologia era a mais antiga das tecnologias e nada nova. Mas algo me deixou muito surpreso foi a presença no conclave do presidente da Associação Brasileira da indústria de alimentos (abia) que teve uma confusão com o prof. Dr. R. O. Nodari um dos poucos nacionais contrários aos desmandes com os transgênicos. Atônito com a grosseria e agressividade contra o professor universitário passei a construir o meu entender pela razão da presença do lobby corporativo naquele recinto.


No Brasil desde 11 de setembro de 1990 é o código de defesa do consumidor que obriga os alimentos transgénicos a ser marcados. Toda e qualquer rótulo é a melhor forma de garantia de qualidade de produto e sua identificação deve ser de interesse dos produtores e consumidores.

Já antes de carral ou suméria superar a sazonalidade na produção de alimentos é procurada através da transformação e conservação que fez nascer a indústria de alimentos.
É necessário salientar que o alimento humano dia a dia é menos encontrado em " a natureza " de von Goethe ou " Cosmos " De Von Humboldt e cada vez mais no tempo " Ultra-Social " no espaço humano na natureza (Agricultura). Depois o alimento é fruto do tempo "Ultra social" humano naquele espaço natural e a indústria de alimentos é a primeira indústria (Food Industry) da humanidade. Por isso ela se autodefine na Wikipédia:

" a indústria alimentar é um complexo, um coletivo global de empresas diversas que abastecem a maioria dos alimentos consumidos pela população mundial. Só os agricultores de subsistência, os que sobrevivem com o que cultivam e os caçadores-coletores podem ser consideradas fora do alcance da indústria alimentar moderna e inclui:

Agricultura: Produção vegetal e criação de gado, e marisco; fabricação: Agroquímicos, construção agrícola, máquinas e insumos agrícolas, sementes, etc. Processamento de alimentos: Preparação de produtos frescos para o mercado e fabricação de produtos alimentícios preparados. Marketing: Promoção de produtos genéricos (por exemplo, painéis de leite), novos produtos, propagandas, campanhas de marketing, embalagens, relações públicas, etc.

Comércio por grosso e distribuição: Logística, transporte, armazenamento. Serviços na alimentação (que inclui catering); comestíveis, mercados de agricultores, mercados públicos e outros.

Regulamentação: Normas e regulamentos locais, regionais, nacionais e internacionais para a produção e venda de alimentos, incluindo a qualidade dos alimentos, a segurança alimentar, o marketing / publicidade e as actividades de lobby da indústria; Educação: Académica , consultoria, formação profissional, investigação e desenvolvimento: Tecnologia alimentar serviços financeiros: Crédito, seguros ". bom, não sobrou nada lá fora...

Por tudo o que disse acima, podemos compreender que a ideologia e dogmas da indústria de alimentos é ser hegemónica pelo seu poder em alterar a " Sazonalidade " e " regionalização " na produção de alimentos. Ela não saber que não produz alimentos, somente os transforma, desvitalizando parcial ou totalmente, uma vez que a produção será ad eternum, a transformação do sol em cadeias de carbono, nitrogênio, enxofre, hidrogênio, oxigênio, fósforo, silício e outros minerais que ela não tem Capacidade de fazer no tempo ultra social ou fora dél.
É impossível o sucesso de produto industrializado perante um natural fresco ou recém-colhido, mas seu valor aumenta de forma exponencial na ausência e controlado com habilidade pela propaganda pela exoticidad, que permite atingir outras latitudes. Leite em pó não substitui o leite humano dos escravos, nem leite materno. É fruto de uma política financeira, da mesma forma que as bananas, fruto natural valioso pela manipulação do final que excluísse a regra em um mundo onde mais de metade do que é produzido em campos é perdido pela transformação, manipulação e especulação financeira .
Com o fim da guerra fria a política da fome perdeu discurso e hoje nos supermercados tem quase a mesma comida industrial para animais de estima que para pessoas, o que comprova a importância da atividade ultra social do biopoder camponês. Sem que tenhamos consciência que só comemos quatro cereais duas ou três tubérculos e dois ou três raízes e a fome oculta (hidden hunger) se esconde mais de ¾ partes da população mundial e ¼ tem obesidade doente e até mórbida e para ela A Indústria de alimentos oferece suas pílulas de minerais de alta rentabilidade e para uma complementação nutricional culturas de single cell protein dos micróbios cultivados sobre águas negras ou servidos. Não fiquem nervosos as há orgânicas certificadas, são mais caras, é claro que são para os ricos.


Aqui terminamos com a contradição ideológica e dogmática da presença do presidente da abia numa reunião contra as sementes transgénicas: pela primeira vez na sociedade industrial algo novo, mais tecnológico, científico, as sementes não eram destinadas aos mais ricos, nem Mais caras, muito pelo contrário era para ser distribuído para os mais pobres e sem informação, com todo produziam muito mais lucros por o que não podiam ser identificados no rótulo como dizia o código de defesa do consumidor, o que foi alterado pela ação de um Congresso igual ou pior que os ex-Ministros criminosos citados pelo Dr. Filártiga. O camponês que elaborava o chuño hoje dia come "Cup noodles" - maruchan - e sardinhas acondicionadas pois perdeu o biopoder, mas a luta continua e continua zv.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"no artigo 5º, inciso IV da Carta da República: 'é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato'."

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...